Por que o dia bissexto é realmente uma questão de planejamento de festas

[ad_1]

Relógios e calendários são úteis, mesmo que estejam em descompasso com o mundo astronômico.

A órbita real da Terra em torno do Sol leva seis horas e nove minutos a mais do que os estritos 365 dias preferidos pelos nossos mecanismos regulares de programação. Para sincronizar o mundo natural com nossos calendários, adicionamos um dia bissexto a cada quatro anos, em 29 de fevereiro – hoje.

Tudo isto parece uma mera tarefa cronológica, mas há outras preocupações em jogo, de acordo com Judah Levine. Ele é o chefe do Projeto de Sincronização de Rede na Divisão de Tempo e Frequência do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia, ou NIST, em Boulder, Colorado. Ele é um entre dezenas de especialistas em tempo em todo o mundo que trabalham na coordenação dos relógios mundiais. portanto, eles estão em sincronia não apenas entre si, mas também com o mundo natural. Ele conversou com o The New York Times para discutir o que mais está em jogo no Dia Bissexto.

Esta conversa foi editada e condensada para maior clareza.

Então tudo isso começa com Júlio César?

Ele foi o cara que iniciou o negócio dos dias bissextos, por volta de 46 a.C.

Ele acabou de declarar um dia bissexto?

Acho que ele apenas disse: “A cada quatro anos”. Ele era César – ele não precisava votar. Embora ele tenha proclamado isso, isso só aconteceu cerca de 30 ou 40 anos depois.

O objetivo era fazer com que o equinócio da primavera acontecesse na primavera, e o problema era que o equinócio estava esbarrando no inverno; isso não foi legal.

O equinócio da primavera em muitas sociedades estava associado a um festival da colheita; para haver um festival da colheita, você tem que ter uma colheita. A Páscoa, mais ou menos na época de Jesus, era uma festa da colheita, então a Páscoa tinha que ocorrer na primavera; tinha que estar frouxamente ligado ao equinócio. O mesmo se aplica à Páscoa cristã.

Mas César veio antes disso.

Júlio César deve ter usado um argumento semelhante – que quando não fazemos o dia bissexto, os feriados da colheita ficam mais próximos do inverno. Ele pode ter respondido a uma exigência romana.

Então, no ambiente cristão, o dia bissexto gerou um problema em relação ao Natal, porque a Páscoa estava voltando para o Natal.

Por definição, a Páscoa cai no domingo após a primeira lua cheia após o equinócio da primavera.

Certo. O maior problema é que o Natal é uma data definida, mas a Páscoa é uma festa móvel. E a Páscoa, falando livremente, é semelhante – tem que ser uma coisa de primavera.

O calendário judaico não tem dia bissexto, mas tem mês bissexto. Acontece sete vezes em 19 anos. Afeta o calendário judaico – afeta todos os feriados. Há uma grande discussão no Talmud sobre como decidir quando fazer o mês bissexto, e a raiz da discussão é que a Páscoa tem que ser um festival de colheita.

Então veio a correção gregoriana. O que é que foi isso?

Foi feito pelo Papa Gregório para corrigir a regra de Júlio César, o que era bom, mas não exatamente certo. Desde a época de Júlio César até a época do Papa Gregório foram cerca de 15 séculos. Nesse ponto, o equinócio estava pelo menos 10 dias fora do alvo – um pouco menos de um dia por século. A Páscoa agora estava se transformando no verão. O Papa Gregório retirou esses 10 dias do calendário e removeu três dias bissextos do sistema a cada 400 anos. Isso fez um pequeno ajuste para que o problema não se repetisse.

A ideia era manter o equinócio em 21 de março, mais ou menos por dia.

Foi suficiente manter as celebrações da Páscoa e da Páscoa e das colheitas no local desejado?

Pelo menos por vários milhares de anos.

Porque pequenas diferenças de horário ainda se acumulam?

Tenho certeza de que há um arredondamento agora e que haverá um problema em 10 séculos, mas, falando de maneira geral, os feriados ocorrem na hora certa e ocorrerão no futuro próximo.

O que é importante entender hoje em dia sobre o Dia Bissexto?

Que a razão fundamental para isso é manter as estações e o calendário interligados. É por isso que existem dias bissextos.

Por que isso acontece no equinócio da primavera, mas não no solstício de inverno ou de verão?

Poderia. Mas uma vez que você fixa a duração do ano, não importa como você a fixa. Depois de sincronizar o ano astronômico com o calendário, você poderia fazer isso de qualquer maneira e seria igualmente bom.

Poderíamos ter saltado no inverno, no verão ou no outono?

Sim. Mas a primavera é sempre emocionante porque é uma época de colheita e renascimento. Sempre teve um lugar especial no coração das pessoas. É um momento especial.

[ad_2]

Leave a Comment