Lionel Messi transforma Los Angeles em uma festa de futebol repleta de estrelas

[ad_1]

Lionel Messi entrou no Dignity Health Sports Park pela doca de carga no canto sudeste para não ver a estátua gigantesca de seu chefe, David Beckham, do outro lado do estádio.

Mas certamente ele sabe sobre a estátua e por que ela está ali.

O Dignity Health Sports Park pode não ser a casa que Beckham construiu, mas é aquela que ele uma vez ocupou. A média de público aumentou 29%, para 26.009 – no local conhecido então como Home Depot Center – na primeira temporada completa de Beckham com o Galaxy. Nesta última temporada, o comparecimento em toda a liga aumentou 18%, a estrutura salarial da MLS mudou e a introdução de jogadores designados – permitida pela Regra de Beckham – abriu caminho para dezenas de jogadores de renome, de Thierry Henry e Robbie Keane. para Zlatan Ibrahimovic e Giorgio Chiellini.

Esse foi o início da jornada que levou ao domingo, quando Beckham, agora coproprietário do Inter Miami, retornou a Carson pela primeira vez com seu clube, trazendo consigo Messi, indiscutivelmente o maior jogador da história do futebol.

A multidão recorde de 27.642 pessoas que veio vê-lo lotou a grama atrás do gol norte e encheu as arquibancadas temporárias perto do gol sul. Mesas de coquetéis foram montadas atrás do banco de Miami para os torcedores mais abastados durante o aquecimento, ajudando o Galaxy a quebrar o recorde de jogo de maior bilheteria na história do estádio.

A equipe distribuiu mais de 200 credenciais de mídia, quatro vezes a quantidade habitual, e ainda assim não conseguiu acomodar todos que desejavam.

Em meio a toda a agitação, o resultado quase não importou, mas o jogo terminou empatado em 1 a 1, com Messi marcando o gol do empate de joelhos no segundo minuto dos acréscimos. Dejan Joveljic marcou o único gol do Galaxy aos 75 minutos.

“Ver aqui uma multidão lotando o estádio 45 minutos antes do jogo é emocionante. Representa tudo o que queríamos que este esporte fosse”, disse o comissário da MLS, Don Garber. “Todos aprendemos que nunca se trata de um jogador específico. Mas todos devemos valorizar as grandes experiências quando as lendas entram na sua liga.

“Com David, trata-se muito de onde estávamos em 2007. E onde estamos hoje.”

Torcedores tiram fotos e gravam vídeos de Lionel Messi, do Miami, antes de cobrança de escanteio contra o Galaxy.

Torcedores tiram fotos e gravam vídeos de Lionel Messi, do Miami, antes de cobrança de escanteio contra o Galaxy, no domingo.

(Wally Skalij/Los Angeles Times)

O jogo foi a abertura da temporada do Galaxy, mas a atmosfera era mais de festa em South Beach do que de partida da MLS, com quase o mesmo número de torcedores vestindo camisetas rosa Barbie do Inter Miami ou camisas listradas azuis da Argentina, que Messi levou para uma Copa do Mundo. vitória em 2022, como no Galaxy branco.

Foi uma celebração do futebol, uma festa do futebol.

Os sul da Califórnia podem ser indiferentes em relação às celebridades; afinal, isso é Hollywood. Mas Messi, tal como Beckham, antes dele é diferente, o melhor dos melhores num desporto que os EUA ainda não conseguiram atrair para o seu seio. Como resultado, as arquibancadas quase igualaram o campo em termos de poder de estrela, com os atores Halle Berry, Hillary Duff e Edward Norton, o rapper Lil Wayne e os atletas Novak Djokovic, Puka Nacua, Christen Press, Candace Parker e Diana Taurasi entre os presentes.

“São jogos legais de se jogar. Há muitos jogadores importantes”, disse o goleiro do Galaxy, John McCarthy. “Era um ambiente incrível. É um jogo que você quer jogar e do qual você quer fazer parte.”

“Messi”, acrescentou, “é bom”.

E agora que tem a atenção de todos, o desafio da MLS é mantê-la.

O Inter Miami, em sua quinta temporada na MLS, nunca terminou com um recorde de vitórias, mas começa esta temporada não apenas com Messi, mas com três de seus ex-companheiros do Barcelona, ​​Jordi Alba, Luis Suárez e Sergio Busquets. O quarteto somou duas vitórias em Campeonatos do Mundo, 32 títulos da liga e nove títulos da UEFA Champions League. Nenhum outro time da MLS chegou perto de tal pedigree.

O Galaxy, pentacampeão da liga, está se reconstruindo, iniciando no domingo seis jogadores que não estavam no elenco no início da temporada passada. Um deles, o veloz ala ganês Joseph Paintsil, teve uma estreia impressionante, incendiando o lado esquerdo da defesa do Miami a noite toda e acertando sete chutes em 86 minutos.

E foi quase bom o suficiente para uma vitória.

Lionel Messi, do Inter Miami, chuta a gol na frente do zagueiro do Galaxy, Martin Cáceres, no primeiro tempo de domingo.

Lionel Messi, do Inter Miami, chuta a gol na frente do zagueiro do Galaxy, Martin Cáceres, no primeiro tempo de domingo.

(Wally Skalij/Los Angeles Times)

Joveljic colocou o Galaxy na frente faltando 15 minutos para o fim do tempo regulamentar. Depois que o goleiro do Miami, Drake Callender, parou um chute do craque Riqui Puig, o rebote caiu nos pés de Mark Delgado, e com o goleiro do Miami no chão, Delgado alimentou Joveljic do outro lado da área para um chute fácil.

O gol teve que resistir a uma longa verificação do VAR, mas foi permitido.

Gabriele Ciampi, substituto dos dirigentes regulares da MLS que foram bloqueados, não teve a chance de revisar uma ligação que fez 13 minutos depois e que acabou custando a vitória ao Galaxy. Normalmente um oficial da USL League One, Ciampi, trabalhando em seu segundo jogo na MLS em poucos dias, lutou a noite toda pelo controle da partida e, aos 88 minutos, deu a Delgado o segundo cartão amarelo por tropeçar em Busquets, embora os replays mostrassem que Delgado nunca tocou o zagueiro do Miami.

O primeiro cartão amarelo de Delgado foi por perda de tempo depois de chutar uma bola para fora de campo.

“Muito, muito suave”, disse o técnico do Galaxy, Greg Vanney, sobre as advertências. “Você não quer dar a Messi mais espaço do que já existe.”

Mas foi exatamente isso que aconteceu quando Delgado saiu. Com o Galaxy reduzido a 10 jogadores, Messi foi capaz de receber um passe ruim de Puig e então, com espaço para operar, trabalhou um par de trocas com Alba que terminou com Messi caindo de joelhos após uma esquerda. toque com o pé para marcar do centro da área.

O goleiro do Galaxy, John McCarthy, caminha de volta em direção ao gol enquanto os jogadores do Inter Miami comemoram o gol de Lionel Messi nos acréscimos.

O goleiro do Galaxy, John McCarthy, caminha de volta em direção ao gol enquanto os jogadores do Inter Miami comemoram o gol de Lionel Messi nos acréscimos.

(Wally Skalij/Los Angeles Times)

Foi um caso clássico de Messi fazendo algo do nada e colocou a multidão, a maior em um jogo da temporada regular no DHSP, de pé. O Galaxy era o time da casa, mas muitos torcedores vieram ver Messi e ele não decepcionou.

“Um dia, todas as noites serão assim”, disse Vanney. “É uma espécie de espetáculo. A liga só precisa continuar crescendo, certo? Você precisa continuar contratando os melhores jogadores porque é isso que as pessoas querem ver. A qualidade do futebol continua melhorando. Este é um sinal de que estão a ser feitos progressos.

“O jogo que você viu esta noite [was] em parte por causa da atmosfera criada por tudo o que está acontecendo, não sei dizer por quanto tempo, mas sinto que estamos caminhando nessa direção. Espero que essas noites continuem chegando.”

O que Beckham começou, Messi continua.

[ad_2]

Leave a Comment