6 mudanças de mentalidade que mudaram minha vida para melhor | Sagacidade e prazer

[ad_1]

Olhando para uma sala de estar e uma sala de jantar além dela.  A sala de estar é pintada de branco cremoso e tem teto de vitral.

No mês passado, escrevi sobre minha rotina diária flexível e os pilares de bem-estar que sustentam meu bem-estar mental e emocional. Hoje eu queria compartilhar algumas das mudanças de mentalidade que sustentam esses hábitos diários. Estas são as práticas internas que me sustentam por dentro.

Encontrando as rotinas e práticas que funcionam para *você*

Antes de entrarmos nisso, percebi, ao escrever e compartilhar essas postagens, que a maioria de nós precisa de menos conselhos, menos informações e menos pressão para que nossas vidas pareçam e sejam sentidas como alguém que vemos através de uma tela. Eu sei disso profundamente, tão profundamente que parecia contra-intuitivo aparecer e compartilhar isso neste meio.

A maior percepção que tive no ano passado foi que não precisava me consertar. Eu precisava ver mim mesmo e aceitar o que vi. Eu costumava confiar mais nos livros e nos especialistas do que em mim mesmo, às vezes tanto que nem conseguia confiar no meu próprio reflexo. E você não pode construir autoconfiança seguindo o caminho de outra pessoa. Não existe uma abordagem única para sair de uma rotina, de uma crise pessoal ou de uma queda na sua confiança. Você tem que olhar dentro de si mesmo em busca de pistas que o indiquem na direção certa.

A maior percepção que tive no ano passado foi que não precisava me consertar. Eu precisava ver mim mesmo e aceitar o que vi.

Só você sabe o que precisa. É muito fácil quando você está confuso procurar um rótulo para colocar o que você está sentindo. Somos muito mais complicados do que isso. A perspectiva é muito importante aqui. Deixe espaço para perguntas sem resposta, emoções confusas e a doçura agridoce de viver, de envelhecer, de podar o que está perdido e amar a si mesmo o suficiente para cuidar do que está pronto para crescer novamente.

6 mudanças de mentalidade às quais volto todos os dias

As práticas e mudanças de mentalidade que compartilho abaixo são minhas estrelas norte quando me sinto perdido. Freqüentemente, os sinais reveladores desse sentimento são o tambor familiar de um sentimento interno de baixa autoestima ou velhas qualidades perfeccionistas e desadaptativas tentando me proteger da humilhação pública (obrigado, internet). Eu trato isso como pilares de consciência que me ajudam a confiar que ficarei bem, não importa o que aconteça.

1. Esclareça meus pensamentos.

Tento perceber sempre que fico preso a velhos padrões de pensamento. Quando estou ruminando ou começando a me auto-sabotar, faço uma rápida varredura corporal e respiro fundo algumas vezes, depois volto ao que estava fazendo. A chave para mim é não ser arrastado ou apegado a pensamentos catastróficos; ser gentil comigo mesmo quando faço isso (e faço isso com frequência) e acredito que ficarei mais confortável deixando isso passar com a prática. Tentar parar completamente esses pensamentos me manteve preso. Aceitando adotá-los como parte de me tornar totalmente eu mesmo foi um grande passo na direção certa para mim.

2. Seja realista com o que posso oferecer.

Eu quero fazer todas as coisas. Perceber que não posso fazer todas as coisas sem consequências (por exemplo, mentalmente, emocionalmente, financeiramente) foi uma constatação devastadora a que cheguei no ano passado, mas também incrivelmente libertadora. O que eu querer pendência? O que eu quero da vida? Fiquei paralisado por essas perguntas, pensando que as respostas viriam até mim como um raio se eu as desejasse com força suficiente.

Não estou esperando que um propósito me atinja de uma só vez. Ainda não sei o que fazer com meu desejo de encher demais o prato, só que isso não está ajudando. Portanto, agora, quando retiro algo da minha lista ou delego uma tarefa, vejo isso não como um ato de agitar a bandeira branca, mas como uma mudança centímetro a centímetro em direção ao que realmente importa para mim.

3. Pratique a aceitação radical.

Às vezes, ficamos desejando que nossas circunstâncias fossem diferentes. Assim como pensei que poderia fazer malabarismos com um prato cheio e me comprometer com cada ideia que surgisse na minha cabeça, às vezes pensei que poderia me proteger me preocupando. Houve momentos em que pensei que poderia simplesmente manifestar o futuro que desejava, desejando que minha situação atual fosse diferente. Não é assim que funciona.

4. Aceite o desconforto.

O desconforto tende a me apontar a direção em que preciso concentrar minha energia; isso me aponta uma direção que me ajuda a crescer. Desconectei-me dessa sabedoria após meus primeiros anos de terapia, pensando que o desconforto era a chave para onde eu precisava me curar. Minha autoconsciência aumentou enquanto minha confiança despencou. Eu não consegui descobrir.

Demorou muito para reaprender como me esforçar para crescer e não para me punir. Se você teve um grande revés em sua carreira ou relacionamento, é difícil voltar lá. É assustador saber até onde podemos cair e o que é necessário para juntar os cacos. Mas posso dizer por experiência própria que chafurdar na autopiedade tem seu preço.

5. Pratique o respeito próprio.

Para mim, isso geralmente significa fazer o que eu digo que farei. Dizem que a procrastinação não é uma questão de gerenciamento de tempo, mas uma forma de desviar daquilo que tememos: medo do fracasso, medo da rejeição, medo do desconforto de enfrentar os dois, só para citar alguns. Dizem também que é uma forma de controlar esses resultados e, quando não fazemos o que precisamos de fazer, podemos antecipar o resultado. Tenho certeza de que é assim que se sente auto-sabotar.

Comecei a encarar a procrastinação como uma forma de desrespeito comigo mesmo. Essa mudança de mentalidade me ajudou a avançar quando preciso apenas começar. Também me ajudou a identificar onde posso ter clareza sobre o que não pode fazer. Eu falho nisso todos os dias, mas continuo tentando. Centímetro por centímetro, estou aprendendo a confiar em mim mesmo novamente.

6. Viva em gratidão.

Não tenho certeza se conseguiremos acessar a gratidão até que nos aceitemos como somos – e que quem somos é fundamentalmente digno de segurança, amor e conexão. Os momentos mais desconfortáveis ​​dos últimos dezoito meses foram relacionados ao meu relacionamento comigo mesmo. Ninguém mais iria me dar o que eu precisava. Eu tive que sentar para saber como eu realmente sentido sobre mim, minha vida e as escolhas que fiz. Foi desconfortável e desorientador, e então veio um presente: percebi que quase tudo que preciso está aqui, dentro de mim.


[ad_2]

Leave a Comment