Trinta anos atrás, Chris Farley e o basquete universitário colidiram de uma forma inesquecível

[ad_1]

Trinta anos depois, Christian Laettner não tem certeza se sabia que isso aconteceria. Em 1994, ele estava na NBA, sua segunda temporada com o Minnesota Timberwolves. Talvez alguém tenha informado seu agente, mas ele não pensa assim.

A ex-estrela de Duke apenas um dia se lembra de ter visto o comercial na ESPN. Chris Farley, então no auge de sua glória no “Saturday Night Live”, vestiu a camisa 32 de Laettner, recriando sua tacada violenta contra o Kentucky, um momento marcante na história do torneio da NCAA.

“Tudo o que sei é que de repente foi lançado e foi hilário e incrível”, disse Laettner O Atlético.

Farley fez três comerciais que foram ao ar na ESPN, todos promovendo o basquete universitário, todos lembrados pela comédia física e pelas travessuras que tornaram Farley tão querido e famoso.

Em um ponto, Farley era Rumeal Robinson, do Michigan, parado na linha de falta, precisando acertar dois lances livres para vencer o campeonato nacional de 1989. “E ele faz parecer…” Farley diz, antes de atirar e errar, não uma, não duas, mas seis vezes, gritando na famosa frustração de Farley (“ENTRE LÁ!”) após cada tijolo.

Em outro, ele é Michael Jordan da Carolina do Norte na disputa pelo título de 1982, mas em vez de afundar o saltador vencedor pela ala, Farley decide dar um passo para trás 3 (ele estava à frente de seu tempo nisso), apontando corretamente no Concluir que o basquete universitário não tinha linha de 3 pontos na época.

Mas é o anúncio de Laettner que é tão fantástico, tão engraçado, tão Farley.

“OK, sou Christian Laettner”, começa o comediante, vestindo um uniforme apertado da Duke. “1992. Duque-Kentucky. Kentucky ganha por um, Christian está com a bola. Faltam dois segundos.”

Farley se vira e enfrenta cinco defensores do Kentucky, recortes em tamanho real feitos de madeira compensada. Ele dribla e arremessa, assim como Laettner fez naquela tarde memorável na Filadélfia, na final da Regional Leste.

Não.

“Fora do vidro!”

“Obtém seu próprio rebote!”

Perder.

“Bola solta!”

Farley mergulha e derruba um recorte do Kentucky. Finalmente, ele faz uma bandeja e levanta os braços em comemoração.

“Duque vence! Jogo do século”, grita Farley. “E isso é do jeito que aconteceu! … Bem, quase.”

Na verdade, foi assim que aconteceu.


Em 1993, Glenn Cole trabalhou na Wieden+Kennedy, uma ambiciosa empresa de publicidade com sede em Portland, Oregon. Embora hoje seja uma agência global, a Wieden+Kennedy naquela época dedicava grande parte de seus recursos a um cliente, a Nike. Era conhecido por “Bo Knows” e por Mars Blackmon dizendo a Jordan: “Dinheiro, tem que ser os sapatos”.

Um redator, Cole, 24 anos, era o mais jovem da empresa. Ex-velocista da Universidade de Oregon, ele adorou a criatividade e a publicidade narrativa fornecida, especialmente na Wieden+Kennedy. Ele se descreveu naquele ambiente como um “idiota que era estagiário há meio minuto”. Mas seus superiores pensaram nele o suficiente para lhe atribuir uma campanha na ESPN que incluía uma tarefa simples.

Promova o basquete universitário.

“Tenho as chaves desse tipo de carro legal. Ninguém está olhando para isso”, disse Cole, referindo-se a toda a atenção que a empresa deu à Nike. “Tenho uma campanha de basquete na ESPN. Eu assisto muito ‘Saturday Night Live’. E eu estava obcecado por Chris Farley.”

Cole teve uma ideia. Um momento comum no basquete – jogar sozinho em um playground. Jogo de empate. O relógio está acabando. 3… 2… 1.

No entanto, o tiro raramente cai. A contagem regressiva é reiniciada. Sem heroísmo para vencer o jogo, apenas uma reformulação do asfalto.

“E então pensei que seria engraçado mexer com esse tropo”, disse Cole. “E então eu pensei, ‘Oh meu Deus, Chris seria a pessoa perfeita para fazer isso.’”

Perto dos 30 anos, Farley era uma estrela em ascensão. O New York Daily News o chamou de o melhor artista da última temporada do SNL, alguém que trouxe o mesmo tipo de “energia vulcânica e magnética” que Eddie Murphy e John Belushi antes dele. Seu talento e comédia começaram a ser transferidos para a tela grande. “Tommy Boy”, estrelado por Farley e David Spade, estrearia em 1995.

Melhor ainda neste caso: Farley era fã de esportes. Crescendo em Madison, Wisconsin, ele jogou hóquei e futebol americano. Na Marquette, ele jogou rugby em clubes. No SNL, ele jogou basquete com colegas de elenco na 76th Street Basketball Court em Riverside Park.

“Chris era um comediante físico talentoso”, disse Doug Robinson, agente de Farley. “E muita gente não sabe que Chris era realmente um tremendo atleta. Ele se moveu muito bem. Ele adorava esportes. Então, se Chris fosse fazer uma comédia física, ele se comprometeria com tudo o que fizesse.”

Cole voou para Los Angeles para apresentar o conceito a Farley. A ESPN perguntou se ele tinha um plano alternativo caso Farley recusasse. “Claro”, disse Cole.

Na verdade, ele não fez isso.

“Lembro-me de ter pensado: ‘Este é um tiro no escuro’”, disse Beth Barrett, produtora da campanha. “Foi numa época em que não era tão comum como agora celebridades, atletas famosos, comediantes e músicos se venderem para comerciais. Era quase uma coisa ruim estar em um comercial.”

Cole conheceu Farley na suíte de hotel de Farley. Farley usava um terno de tweed, de design desgrenhado. Cole apresentou sua visão e Farley compreendeu-a imediatamente. O comediante saiu do sofá e começou a representar o filme de Laettner. Ele derrubou um vaso, o que fez Cole perceber imediatamente: “Ah, preciso pegar algo para você derrubar”.

“Sim, parece muito divertido”, Cole se lembra de Farley ter dito. “Vamos fazê-lo.”

Os comerciais foram filmados dias depois em um estúdio de Los Angeles. Hoje, uma celebridade provavelmente apareceria com uma espécie de comitiva. Mas naquela época, Larry Frey, o diretor criativo da campanha, lembra-se do empresário de Farley chegando mais cedo e de Farley chegando mais tarde sozinho. Spade apareceu por volta da hora do almoço.

“Ele era literalmente como uma criança de 10 anos e eles acabaram de encerrar o recreio”, disse Frey. “Cheio de energia. Como, ‘Ei pessoal! Provavelmente vou estragar tudo hoje.‘Super autodepreciativo. Super entusiasmado. E apenas improvisando.

Eles atiraram primeiro nas vagas de Michigan e Carolina do Norte, principalmente porque Cole sabia o que Farley havia planejado para Laettner e não queria arriscar que sua estrela se machucasse.

(Além dos anúncios, Farley também fez uma série de promoções que nunca foram ao ar. Na imagem abaixo, Farley segura dois bichinhos de pelúcia e faz mímica de uma conversa sobre um próximo jogo de rivalidade. É claro que os mascotes logo se atacam, e então Farley, e a promoção termina com uma explosão de marca registrada de Farley.)

Para o anúncio de Laettner, Cole forneceu instruções simples.

“Olha, vou colocá-lo na linha dos três pontos”, ele se lembra de ter dito a Farley. “Vamos começar esta peça da forma como todos se lembram dela na nossa memória colectiva. E aí olha, cara, tente acertar, mas se não conseguir, é só se apressar e tentar finalizar a jogada e me surpreender.”

Farley, solto.

Farley no seu melhor.

Ele passou por recortes dos ex-destaques do Kentucky, Deron Feldhaus, John Pelphrey e Travis Ford, derrubando-os no chão.

“Um redemoinho”, disse Barrett.

Boas ideias nem sempre são traduzidas. Cole soube instantaneamente que este sim.

“Em cada um deles, logo após a primeira tomada de cada local – todos os três – eu estava tipo, ‘Ah, merda, isso vai ser incrível’”, disse ele.


Em “The Chris Farley Show: A Biography in Three Acts”, os autores Tom Farley Jr. e Tanner Colby descrevem este período como o ponto alto da vida de Farley.

O comediante lutou contra o vício em drogas e álcool, mas depois de uma viagem a uma clínica de reabilitação no Alabama, ele estava tentando se manter limpo. Farley estava confiante e seguro de si, escreveram os autores, mas no final das contas foi uma batalha perdida. Em 1997, Farley morreu de overdose aos 33 anos.

Quando Cole e Barrett relembram aquele dia em Los Angeles, a experiência se destaca tanto quanto o produto final. Farley atuou como sempre diante das câmeras. (Depois de cada tomada, ele perguntava: “Isso foi engraçado?”) Mas ele também foi pessoal e envolvente durante todas as oito horas em que esteve lá.

“Íamos passar um tempo na sala verde entre as apresentações e ele fazia perguntas e se interessava por outras pessoas”, disse Barrett. “E apenas (seja) meio idiota. Foi apenas uma daquelas experiências muito raras na publicidade, em que você realmente conhece alguém no final do dia. Foi muito bom.”

Farley e Cole se conectaram tão bem, trocando ideias, que Farley perguntou se ele tinha interesse em escrever para ele no SNL. Cole entrou em pânico, pensando: “E se eu não conseguir lançar ótimas coisas toda semana?” Foi uma oferta incrível, mas Cole adorou o que estava fazendo. Ele recusou.

“Esse foi meu terceiro projeto em publicidade, pelo que me lembro, mas foi o primeiro em que senti que estava colaborando com alguém para fazer algo melhor do que eu ou ele poderíamos fazer de forma independente”, disse Cole, que hoje é cofundador e presidente da 72andSunny, uma agência de publicidade global.

Um ou dois anos depois que os comerciais foram ao ar, Laettner caminhou em um cais, prestes a embarcar em um avião. Ele não se lembra para qual aeroporto ou para onde estava indo, mas assim que embarcou avistou um rosto familiar sentado na primeira classe. Era Farley.

Como a maioria das celebridades, Farley estava olhando para baixo, tentando não ser notado, mas fez contato visual com Laettner. Farley se levantou, e a estrela do basquete e comediante se abraçou e riu.

“Comercial incrível”, Laettner disse a ele.

Chris Farley e Glenn Cole


Chris Farley e Glenn Cole, nos bastidores da filmagem do comercial de basquete universitário. (Cortesia de Glenn Cole)

(Ilustração superior: Daniel Goldfarb / O Atlético; fotos e vídeos cortesia de Glenn Cole)


[ad_2]

Leave a Comment