Os ursos estão se dirigindo corretamente ao elefante na sala

[ad_1]

INDIANÁPOLIS—Estamos aqui e prontos para passar seis longas noites em Naptown, e estamos apenas começando a investigar alguns sussurros que correrão soltos aqui nos próximos dias…

• O GM do Chicago Bears, Ryan Poles, fez a coisa certa com sua franquia na terça-feira ao deixar tudo em cima da mesa ao dizer à mídia que eles ainda não fecharam a porta para nada. Dessa forma, as ligações continuarão chegando para Justin Fields e para a primeira escolha.

No final das contas, a idéia, se eu tivesse que entrar na cabeça dos poloneses sobre isso, seria obter a visão mais clara de todas as opções antes de executar um plano que está se aproximando dos estágios finais. E houve alguns sinais na terça-feira de que está, de fato, chegando aos estágios finais. Primeiro, falar tão abertamente sobre negociar Fields – e “fazer o que é certo para Justin” – é não algo que você está fazendo se o plano é mantê-lo consolidado como titular inquestionável. Em segundo lugar, os polacos reconheceram que a coisa certa para todos seria encerrar os Campos mais cedo ou mais tarde.

Quando? No início da agência gratuita (o período de adulteração começa em 11 de março, o ano da liga abre dois dias depois) seria o ideal. Isso daria a Fields a chance de virar a página antes que sua nova equipe começasse a construir a sério, e mais equipes, naturalmente, terão vagas como zagueiro agora do que em quatro ou seis semanas, o que dá aos Bears um mercado mais robusto para sua primeira rodada de 2021.

Poles está pronto para tomar uma decisão que traçará o curso de sua franquia, potencialmente, para a próxima década e além.

Daniel Bartel/USA TODAY Esportes

Mais uma coisa aqui: conversei com gente suficiente de Chicago nas últimas semanas para saber que os Bears acreditam que podem vencer com Fields. Mas esta é uma situação única, onde eles têm a escolha do pior time da liga na primeira rodada em um ano em que um talento geracional está surgindo como zagueiro, que permitirá ao time zerar o relógio do contrato de novato. no quarterback. E no final, minha aposta ainda é que a chance de fazer isso é demais para ser repassada.

• O Los Angeles Rams sofreu algumas derrotas na sua equipa técnica este Inverno (particularmente com Raheem Morris e Zac Robinson a caminho de Atlanta), mas também conseguiu uma grande vitória. Manter o conceituado técnico dos tight ends, Nick Caley, foi um golpe para Sean McVay.

A contínua caça furtiva dos assistentes de McVay tem sido, ao longo dos últimos anos, um grande endosso ao que foi construído em Los Angeles e também um fardo para uma equipe que precisa constantemente se remodelar em torno da chegada de novos funcionários. O ano marcou uma espécie de mudança na forma como eles fizeram isso, com McVay saindo de uma árvore de treinamento que tradicionalmente tem sido muito isolada para contratar Caley e Ryan Wendell, ambos com raízes Patriotas.

Parte disso, é claro, era que McVay simplesmente gostava daqueles dois. Outra foi o respeito que ele sempre teve por Josh McDaniels e pelo ataque da Nova Inglaterra, e a ideia de que adicionar algumas camadas ao jogo de passes, com Matthew Stafford como gatilho, e um pouco mais de diversidade ao jogo de corrida tornaria os Rams difíceis de lidar. com. Com certeza funcionou, o suficiente para que a ideia de Caley sair para cuidar de seu próprio ataque estivesse em jogo.

Caley viajou para a Nova Inglaterra para uma segunda entrevista com os Patriots, para quem trabalhou de 2015 a 22, no fim de semana dos jogos do título da conferência, e foi oferecido o cargo de coordenador ofensivo dos Patriots por seu antigo colega de equipe Jerod Mayo. E foi oferecido a ele um salário muito competitivo, o que refletia o respeito que Mayo tem por ele.

Foi difícil dizer não. Mas Caley tinha tal uma boa experiência no ano passado com os Rams, que a ideia de sair foi mais difícil do que recusar um trabalho de coordenador. Então ele ficou, e McVay, como ouvi a história, ficou em êxtase com isso (e McVay mostrou isso enfaticamente ao telefone com Caley quando lhe disseram que iria ficar). Por sua vez, os Rams fizeram valer a pena, dando-lhe o título de coordenador de jogo de passes que Robinson deixou para trás quando decidiu executar seu próprio ataque em Atlanta sob o comando de Morris.

• O diretor executivo do Senior Bowl, Jim Nagy, foi ótimo ao nos guiar pela aula preliminar para a coluna da manhã de segunda-feira, e aqui eu gostaria de destacar o excelente trabalho que seu jogo de estrelas em dispositivos móveis fez ao trabalhar em um momento tumultuado para tal eventos.

Resumindo, houve alguns esforços externos para transformar esses jogos em algo que eles não são, e Nagy fez o trabalho para garantir que o Senior Bowl permanecesse fiel às suas raízes como uma importante ferramenta de avaliação de jogadores, permanecesse no Mobile e continuasse a crescer. como a principal vitrine de talentos universitários no esporte.

“Acho que foi o nosso melhor ano em todos os aspectos, agora sendo capaz de sentar e absorver tudo”, disse Nagy. “Em primeiro lugar, foi uma ótima semana com os novos treinadores. Estamos nos acostumando com esse novo formato com as equipes mescladas. Isso funcionou muito bem. Operacionalmente, o segundo ano fazendo isso foi bom. Tivemos um grupo de jogadores muito bom este ano. O tempo obviamente colaborou, o que é importante para nós.

“A coisa júnior é uma virada de jogo. Aprendemos algumas coisas durante o outono em termos de como envolver alguns desses juniores e despertá-los. Houve certas posições que realmente aproveitaram e aproveitaram para jogar no Senior Bowl.

A “coisa júnior” a que Nagy se refere é que, pela primeira vez este ano, os verdadeiros juniores foram elegíveis para jogar em jogos de estrelas. O pessoal do Senior Bowl foi avisado de que isso poderia voltar em agosto, o que os preparou para o anúncio de novembro – mas isso não significa que os ajustes feitos no outono foram definitivos. Por uma razão ou outra, por exemplo, o jogo não conseguiu nenhum recebedor júnior. Portanto, esse é um lugar para o qual o grupo de Nagy pode olhar ao virar a página para a próxima temporada.

Mas no geral, as métricas foram boas. O jogo teve 133 jogadores convidados para o Combine, o que foi um recorde histórico, e um bom aumento em relação aos 124 convidados no ano passado. Curiosamente, Nagy disse que muitos caras da equipe lhe disseram que as escalações deste ano foram as melhores que já viram em Mobile, o que foi, claro, auxiliado pelo influxo de juniores. E houve juniores, como o centro do Oregon, Jackson Powers-Johnson, que realmente se ajudaram e devem ser estudos de caso poderosos para os jogadores do próximo ano que estarão pensando se querem jogar.

Resumindo, foi um ano muito bom para o Senior Bowl.

O cornerback do Chiefs, L’Jarius Sneed, deve lucrar depois de provar ser uma peça valiosa e versátil na formidável defesa de Kansas City.

Tommy Gilligan/USA TODAY Esportes

• O plano do Kansas City Chiefs de marcar, e potencialmente trocar, o cornerback L’Jarius Sneed segue o que o GM Brett Veach fez há cinco anos com Dee Ford durante a mesma entressafra em que eles estavam do outro lado de um acordo para adquirir Frank Clark.

A etiqueta de Sneed custará a Kansas City US$ 19,8 milhões e provavelmente significaria que um acordo de longo prazo custaria a um parceiro comercial algo em torno de US$ 22 milhões por ano. Ao longo de seus quatro anos, Sneed provou valer a pena – e os Chiefs mostraram o quanto pensam nele com a forma como Steve Spagnuolo o usaria por dentro e por fora, e às vezes o faria viajar com o melhor recebedor de outras equipes.

Por que os próprios Chiefs não o contratariam? Bem, por um lado, com os preços sendo os de Patrick Mahomes, Travis Kelce e, se ele continuar, Chris Jones, além de uma linha ofensiva que é cara e tem mais alguns caras para extensões, há tanto dinheiro para dê uma volta. Eles também têm grande profundidade jovem na posição (Trent McDuffie, Jaylen Watson e Joshua Williams). E há preocupações com lesões em Sneed.

Portanto, seria interessante ver exatamente o que Kansas City pode oferecer a Sneed, que tem melhorado constantemente e está saindo de seu melhor ano.

• O diretor de olheiros do New England Patriots, Eliot Wolf, lançou uma luz real sobre uma mudança no processo da equipe no lado pessoal na terça-feira, explicando como a equipe está passando de um sistema de classificação baseado em funções para um mais centrado no valor do jogador.

Isto é significativo, porque acredito que é uma área que custou caro à Nova Inglaterra nos últimos anos. Bill Belichick às vezes convocava ou contratava jogadores para funções muito específicas – digamos, um canto maior (Joejuan Williams, Brandon Browner) que poderia cobrir pontas apertadas, costas mais pesadas para atacar frentes defensivas mais leves (LeGarrette Blount) ou até mesmo peças de jogo de chute. tirar proveito de certas regras. E durante anos permitiu que os Patriots aproveitassem o domínio situacional de Belichick como treinador.

Tudo desmoronou mais tarde em sua corrida na Nova Inglaterra, quando os Patriots não tinham as peças fundamentais que você precisa para vencer na liga, quando caras como Dont’a Hightower, Stephon Gilmore, Nate Solder, Rob Gronkowski e, claro, Tom Brady pedalaram. a lista.

Portanto, minha percepção da mensagem de Wolf aqui é que ele e sua equipe irão se tornar os melhores jogadores disponíveis no início do draft, inclinando-se para posições premium, para construir uma nova base.

• O Denver Broncos está jogando bem com Russell Wilson no momento, mas poucos acreditam que o veterano de 12 anos esteja de volta a Denver na próxima temporada. Uma pausa limpa é provavelmente melhor para todos, e eu espero que eles adicionem um veterinário acessível (já que pagarão a Wilson US$ 39 milhões em 2024, sem o que quer que uma nova equipe dê a ele, é difícil ver algo chamativo)

e procure negociar por um quarterback no draft ou ficar no 12º lugar.

Esta é a chance de Sean Payton redefinir como quarterback. Eu não o vejo passando isso.

• Pelo que vale, acho que o Cincinnati Bengals fará o que puder para recontratar Tee Higgins por um longo prazo. Acredito que eles considerarão deixá-lo jogar na franquia, com um valor total de US$ 21,8 milhões para este ano. Também acho que as equipes poderiam fazer grandes ofertas para Higgins, ofertas que, na ausência de um acordo de longo prazo em Cincinnati, podem ser difíceis de serem repassadas pelos Bengals.

Como mencionámos na coluna de segunda-feira, o preço de Joe Burrow, Ja’Marr Chase e Higgins a longo prazo poderá rondar os 110 milhões de dólares por ano em dinheiro novo. O que é muito.

• Eu não daria muita importância à postagem nas redes sociais do Arizona Cardinals na terça-feira sobre Kyler Murray. Na verdade, eu não ficaria surpreso, depois do drama do quarterback de 2019 e 2022 nas redes sociais para o time na hora combinada, se Arizona estivesse enganando todo mundo com esta última postagem.

Arizona OC Drew Petzing construiu um relacionamento muito bom com Murray no ano passado, e parece que Murray está muito animado para construir isso.

• O novo técnico do Atlanta Falcons, Raheem Morris, foi bastante definitivo ao dizer que seu time seria agressivo como zagueiro nesta entressafra. Os campos podem ser uma opção. Kirk Cousins ​​também.

• Falando em zagueiros, eles chegaram aqui hoje. E então as entrevistas que acontecerão nas próximas noites no Lucas Oil Stadium serão muito importantes.

[ad_2]

Leave a Comment