“Eternal Sunshine”, revisado: Ariana Grande faz um inventário romântico

[ad_1]

A música pop confessional tornou-se carregada ao longo dos anos por uma espécie de expectativa elevada. Os fãs veem mais estrelas pop agora, no ambiente quase sincero das mídias sociais, o que significa que os fãs acreditam que têm uma compreensão das estrelas pop, e há uma maneira pela qual músicas, álbuns ou videoclipes podem capitalizar esse entendimento. (ou, por assim dizer, mal-entendido). A estrela pop de trinta anos, Ariana Grande, ao longo de uma carreira musical de mais de uma década que consiste em seis álbuns de platina ou multiplatina, deleitou-se em confundir a linha entre o que está em suas músicas e o que está nos tablóides, seja com frases enigmáticas. postagens (ou não tão enigmáticas) nas redes sociais ou com oportunidades de fotos na hora certa. (Lembre-se, por exemplo, da foto de 2018 de Grande com seu então noivo, Pete Davidson, segurando um pirulito enquanto caminhava pela rua e olhando para Davidson com admiração.) Mais ainda do que Taylor Swift, cujas composições memorialísticas tendem a Com ampla universalidade, a música de Grande às vezes reagiu descaradamente às especulações e intrigas da imprensa. Ela não tem medo de citar nomes ou de realizar monólogos internos em voz alta.

Grande, que acaba de lançar seu sétimo álbum, “Eternal Sunshine”, esteve em um palco ou outro durante a maior parte de sua vida. Crescendo em Boca Raton, Flórida, ela atuou em teatro infantil regional e cantou o hino nacional em um jogo do Florida Panthers aos oito anos de idade. Ela se apresentou com sinfonias da Flórida e, aos quatorze anos, estava em Los Angeles, reunindo-se com empresários na esperança de gravar um álbum de R.&B. Depois de uma temporada de quatro temporadas no programa da Nickelodeon “Victorious”, ela se transformou de uma personalidade adolescente da TV em uma estrela pop de pleno direito, com o álbum de 2013 “Yours Truly”, que estreou no topo das paradas. Painel publicitário 200 gráfico. Isso destacou seu alcance como artista e, em particular, sua destreza vocal, o que atraiu comparações com Mariah Carey, embora o que havia de mais característico em Grande como cantora não fosse seu controle estilo Mariah, mas as reviravoltas divertidas em seu ritmo. E entrega.

O lançamento mais aclamado pela crítica de Grande foi o álbum de 2019 “Thank U, Next”, cuja faixa-título catalogou sua série pública de relacionamentos fracassados, inclusive com Davidson e o falecido rapper e produtor Mac Miller. Ao mesmo tempo terna e atrevida, a música marcou seu crescimento como escritora de canções de amor, mostrando sua habilidade afinada de extrair emoções privadas tanto quanto de fofocas e manchetes. Mais notavelmente, ela revelou ter um talento singular para escrever canções com ar travesso. A faixa final do álbum, “Break Up with Your Girlfriend, I’m Bored”, era tão sensual quanto boba, com letras francas que evitavam metáforas ou duplos sentidos, sem abandonar o cativante. (“Agindo como se fosse inocente, por favor / Quando eu sei que você está aqui pensando nisso.”) Se “Thank U, Next” foi um álbum impulsionado pelo conceito de seguir em frente, seu álbum de 2020, “Positions, ”feito durante o relacionamento de Grande com Dalton Gomez, foi sua ode à devoção romântica. Suas canções abordam as intimidades um tanto mundanas de um relacionamento confortável e comprometido, recorrendo a velhos (mas confiáveis), tropos como acordar ao lado de uma pessoa em seu estado mais não filtrado. “Positions” não tinha tantos sucessos pop prontos para o rádio quanto seu antecessor, mas sua faixa-título, com suas cordas e guitarra saltitantes, letras cheias de insinuações e refrão contagiantemente agitado, acabou no topo das paradas. Onde “Positions” prosperou, em vez disso, foi em um espaço esparso e midtempo. Muitas de suas melhores canções foram construídas em torno de arranjos pesados ​​​​de bateria com toques de instrumentação leve, permitindo que a voz e o lirismo de Grande ganhassem destaque. O álbum irradiava o que é, para mim, um dos melhores sentimentos: a tola invencibilidade de estar apaixonado recentemente.

“Eternal Sunshine” é o primeiro álbum de Grande desde 2020, o período mais longo que ela percorreu entre novos lançamentos. Ela passou grande parte dos últimos dois anos filmando a adaptação cinematográfica de “Wicked”, na qual estrelará como Glinda, a Bruxa Boa, um papel que a levará de volta às suas raízes de criança no teatro. Naquela época, ela também se separou de Gomez e, em seguida, acelerou o ciclo dos tablóides, poucos dias após a notícia de um divórcio iminente, quando um novo relacionamento com seu co-estrela de “Wicked”, Ethan Slater, se tornou público, e ele posteriormente arquivou para o divórcio de sua esposa. “Eternal Sunshine” é, portanto, pelo menos vagamente, um álbum de separação, o que significa que pode ser considerado, ao lado de “Thank U, Next” e “Positions”, como uma espécie de trilogia, com um arco que vai do desgosto à cura e ao frescor. ruptura.

As faixas – onze das quais foram produzidas pelo hitmaker sueco Max Martin, um colaborador de longa data de Grande – variam de faixas uptempo e eletrônicas (“Supernatural”) a pop influenciado pelo house de baixo e bateria (“Yes, And?”) até a balada R.&B mais despojada “Imperfect for You”. “We Can’t Be Friends (Wait for Your Love)”, uma música de baixo pulsante e vocais fortes, fica em algum lugar entre a saudade de um amor perdido e o contentamento (um pouco incerto) em ir além dele. O refrão (“Agarre-se aos seus papéis e canetas / Espere até você gostar de mim de novo”) se choca com a letra da ponte (“Por enquanto, sou só eu / E talvez isso seja tudo que eu preciso”). O videoclipe, lançado na última sexta-feira junto com o álbum, tenta esclarecer a narrativa tomando emprestado um conceito do filme “Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças”, de 2004: Grande passa por um procedimento para apagar as memórias de seu ex e então, como boas lembranças surgem diante dela, tentativas frenéticas de interferir na operação. Mas gosto da incongruência emocional da letra, que parece dividi-la em duas. Uma sensação de saudade percorre todo o álbum, mas Grande, sempre autoconsciente, não resiste a desempenhar o papel de provocadora, o que ela poderia fazer aqui melhor do que nunca. “Você me entendeu mal, mas pelo menos estou tão bem”, ela canta.

Há três músicas seguidas que li como uma espécie de minitrilogia, começando com “True Story”, em que Grande oscila entre os papéis de vítima e de vilão exultante. O segundo verso, aparentemente respondendo àqueles que disseram que seu relacionamento com Slater a torna uma destruidora de lares, começa: “Vou bancar a garota má se você precisar / Se isso fizer você se sentir melhor”. Uma segunda música, “The Boy Is Mine”, interpola elementos musicais da música de mesmo nome de Brandy e Monica de 1998, canalizando o R.&B dos anos noventa com baixo robusto e bateria gaguejante. Na letra, Grande insiste que ela deve assumir a responsabilidade por todas as lágrimas que causou, mas, para concluir, decide, com um exuberante encolher de ombros: “Não posso ignorar meu coração”. O trio termina com “Yes, And?”, o primeiro single do álbum, que, com suas ondas de piano, sintetizador e bateria agitada, soa uma reminiscência da “Vogue” de Madonna e mostra Grande menos interessado em provocação do que em estabelecer limites:

Venha e ande por aqui através do fogo (não importa o que eles estão pensando)
E se você se encontrar em uma situação sombria
Basta acender a luz e ser, tipo,

“Sim e?”
Diga essa merda com o peito, e
Seja seu melhor amigo

Mesmo nas músicas mais conflituosas do álbum, porém, percebe-se que Grande às vezes deseja uma realidade que simplesmente não existe, ou pelo menos fazendo um inventário tristemente. Em “I Wish I Hated You”, uma balada esparsa, ela canta sobre a forma única de purgatório romântico quando você não quer necessariamente uma pessoa voltar mas também não quero ficar sem eles. A última música do álbum, “Ordinary Things”, termina com um breve monólogo que Grande gravou de sua avó Marjorie conversando com uma amiga. Na faixa de abertura, “Intro (End of the World)”, Grande canta: “Como posso saber se estou no relacionamento certo?” e o monólogo de Marjorie, que encerra o álbum, serve como uma espécie de resposta. Começa no meio da frase: “E quando ele voltava para casa e eu o via, quando ele descia daquele trem, era como se o Deus Todo-Poderoso tivesse chegado, era como ver a luz do dia”. Ela continua dando um conselho: não vá para a cama sem se dar um beijo de boa noite e, se você sentir que não pode se dar um beijo de boa noite, é hora de ir, você está no relacionamento errado. É um encerramento adequado para um álbum em que Grande busca respostas para grandes questões de romance e parceria. Se “Positions” foi uma exploração de alto otimismo do poder de estar apaixonado, “Eternal Sunshine” volta à terra. Os relacionamentos são imperfeitos e você precisa se comprometer a permanecer. Até, é claro, você querer ir. ♦

[ad_2]

Leave a Comment