Boeing é alvo de investigação criminal pelo DOJ

[ad_1]

O Departamento de Justiça iniciou uma investigação criminal sobre a Boeing depois que um painel em um dos aviões da empresa explodiu em um voo da Alaska Airlines no início de janeiro, disse uma pessoa familiarizada com o assunto.

A companhia aérea disse que estava cooperando com a investigação. “Num evento como este, é normal que o DOJ conduza uma investigação”, disse a Alaska Airlines em comunicado. “Estamos cooperando totalmente e não acreditamos que sejamos alvo da investigação.” A Boeing não fez comentários.

Em 5 de janeiro, um painel de um jato Boeing 737 Max 9 operado pela Alaska Airlines explodiu no ar, expondo os passageiros ao ar externo a milhares de metros acima do solo. Não houve feridos graves resultantes desse incidente, mas poderia ter sido catastrófico se o painel tivesse explodido minutos depois, em uma altitude mais elevada.

O painel é conhecido como “tampão de porta” e é usado para cobrir uma lacuna deixada por uma porta de saída desnecessária. Uma investigação preliminar do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes sugeriu que o avião pode ter saído da fábrica da Boeing sem o plugue aparafusado.

A investigação criminal foi relatado pela primeira vez pelo Wall Street Journal.

O Departamento de Justiça disse anteriormente que estava analisando um acordo de 2021 sobre uma acusação criminal federal contra a empresa, que resultou de dois acidentes fatais a bordo de seu avião 737 Max 8. Nos termos desse acordo, a Boeing comprometeu-se a pagar mais de 2,5 mil milhões de dólares, a maior parte sob a forma de compensação aos seus clientes. O Departamento de Justiça concordou em retirar a acusação que acusava a Boeing de fraudar a Administração Federal de Aviação ao reter informações relevantes para a aprovação do Max. Não ficou imediatamente claro se a investigação criminal estava relacionada com a revisão do acordo de 2021 ou com um inquérito separado.

O acordo foi criticado por ser muito brando com a Boeing e por ter sido alcançado sem consultar as famílias das 346 pessoas mortas nesses acidentes. O primeiro ocorreu na Indonésia, no final de 2018. Depois do segundo, na Etiópia, no início de 2019, o Max foi proibido de voar globalmente durante 20 meses. O avião retomou o serviço no final de 2020 e desde então foi usado em vários milhões de voos, a maioria sem incidentes – até o voo da Alaska Airlines em 5 de janeiro.

Na sexta-feira, a Boeing informou a um painel do Congresso que não conseguiu encontrar um registro potencialmente importante detalhando seu trabalho no painel que posteriormente fracassou.

A empresa foi solicitada a apresentar qualquer documentação relacionada à remoção e reinstalação do painel. Numa carta à senadora Maria Cantwell, que preside o Comitê de Comércio, Ciência e Transportes, a Boeing disse que realizou uma extensa busca, mas não conseguiu encontrar um registro das informações solicitadas pelo painel do Senado e pelo conselho de segurança.

“Também compartilhamos com o NTSB o que se tornou nossa hipótese de trabalho: que os documentos exigidos por nossos processos não foram criados quando a porta foi aberta”, diz a carta da Boeing. “Se essa hipótese estiver correta, não haveria documentação para produzir.”

Na carta, a Boeing informa ainda que enviou ao NTSB todos os nomes dos integrantes da equipe de porta do 737 no dia 4 de março, dois dias após a solicitação.

A tampa da porta foi aberta em setembro na fábrica da Boeing em Renton, Washington, para reparar rebites danificados na fuselagem do avião, de acordo com documento analisado pelo The New York Times. Os rebites são frequentemente usados ​​para unir e fixar peças em aviões. O pedido para abrir o plugue veio de empreiteiros que trabalham para a Spirit AeroSystems, fornecedora que fabrica a carroceria do 737 Max em Wichita, Kansas.

Segundo o documento, no dia 18 de setembro, um mecânico da Spirit AeroSystems foi designado para iniciar os trabalhos de reparo dos rebites e a tampa da porta estava sendo aberta para que os reparos fossem feitos. O documento mostra que os reparos foram concluídos dois dias depois e foi dada autorização para fechar a porta novamente.

O documento não continha detalhes sobre quem foi designado para reinstalar o tampão da porta ou se ele foi inspecionado após ser substituído. Não contém nenhuma outra informação sobre quais funcionários da Boeing estiveram envolvidos na remoção e substituição do tampão da porta.

A explosão no voo de 5 de janeiro suscitou mais uma vez um duro escrutínio das práticas da Boeing, com legisladores criticando publicamente a empresa. O Conselho Nacional de Segurança nos Transportes ainda está investigando o incidente, mas sugeriu em um relatório preliminar que a Boeing pode ter entregue o avião ao Alasca sem instalar os parafusos necessários para manter o plugue da porta no lugar.

Desde então, a FAA aumentou as inspeções na fábrica onde a Boeing fabrica o Max e limitou o número de aviões que a empresa pode fabricar por mês. Uma auditoria da FAA encontrou falhas de qualidade na Boeing, e a agência deu à empresa alguns meses para desenvolver um plano para melhorar o controle de qualidade.

No mês passado, um painel de especialistas reunido pela FAA divulgou um relatório há muito aguardado decorrente dos acidentes do Max. Concluiu que a cultura de segurança da Boeing ainda era deficiente, apesar das melhorias nos últimos anos.

[ad_2]

Leave a Comment