Bill Maher já está cansado do discurso de reclamações partidárias

[ad_1]

Ainda faltam nove meses para as eleições presidenciais e já atingimos o pico dos pontos de discussão. Pelo menos, essa foi a afirmação de Bill Maher em seu editorial “Novas Regras” na sexta-feira. Tempo real.

“É tão chato ouvir esses pontos de discussão”, lamentou Maher, listando uma lista de reclamações comuns sobre a economia e outras questões. “O sonho americano morreu porque as barras Mars custavam US$ 1 e agora custam US$ 1,25”, observou ele como um exemplo da hipérbole que abomina.

Embora Maher tenha admitido que não escolheria o presidente Joe Biden como seu parceiro para o Jogo de lulaele examinou uma lista de coisas que estão indo bem no momento, desde a economia até a aquisição de casa própria e a produção de energia.

No entanto, “eu sei o que vocês, hackers de ambos os lados, dirão antes de o dizerem”, disse ele.

Ele perguntou: “É realmente saudável culpar Joe Biden por todos os problemas?” Ele destacou o número recorde de eleitores que se afirmam independentes. “A razão para isso é esse tipo de partidarismo estúpido.”

Nos próximos meses veremos uma campanha que apresentará “uma campanha em grande parte inútil”, já que todos decidiram se apoiarão o candidato que não consegue subir escadas ou o candidato que não consegue descer uma rampa.

O painel de discussão desta semana incluiu Van Jones, comentarista político da CNN e apresentador do podcast Terreno incomum com Van Jones, e Ann Coulter, comentarista político conservador, autor de 13 New York Times livros mais vendidos e que agora escreve a coluna Inseguro na Substack.

O tiroteio no desfile da vitória do Super Bowl em Kansas City foi discutido e, previsivelmente, nenhuma resolução foi alcançada. Maher apontou as contradições entre o que as pessoas dizem querer nas leis sobre armas em pesquisas e as leis estaduais.

Coulter argumentou que as pessoas simplesmente respondem às perguntas sem pensar muito. “Eles não se importam”, disse ela.

Jones observou que são necessárias políticas e programas proativos para colocar as crianças no caminho certo que evitará problemas. Coulter culpou a falta de pais em casa como a causa raiz da violência urbana.

Maher perguntou se tal problema precisa ser resolvido internamente.

Jones disse que tem dois filhos pequenos e que não faz parte do lobby pró-crime. Mas ele disse que o que falta em muitos casos é um sentimento de “esperança, de que existe um amanhã”. Ele culpou as redes sociais por criarem um clima onde aqueles que são insultados num fórum online sentem necessidade de se vingar.

O primeiro convidado da noite foi o Dr. Jean Twenge, professor de psicologia na San Diego State University e autor de Gerações: as verdadeiras diferenças entre a Geração Z, a Geração Millennials, a Geração X, os Boomers e os Silenciosos – e o que elas significam para o futuro da América.

Ela culpou a tecnologia pela maneira como a sociedade está mudando e disse que as pesquisas que indicavam que ninguém lê continuarão a diminuir entre os “polares”, o grupo que assumirá o controle quando a Geração Z terminar seu curso. Essa geração leva o nome da polarização, do tipo político e da ênfase no derretimento das calotas polares.

[ad_2]

Leave a Comment