Aos 70 anos, este influenciador do Instagram mostra que nunca é tarde demais

[ad_1]

“Nunca é tarde demais” é uma série que conta histórias de pessoas que decidem perseguir seus sonhos em seus próprios termos.


Lyn Slater será a primeira a contar que sua vida tem sido uma série de acidentes felizes e metamorfoses intencionais.

“Porque estou constantemente me reinventando, minha vida é sempre uma surpresa. Sou uma pessoa improvisadora. Eu não planejo. Estou muito presente no momento”, disse Slater, 70 anos, ex-professora de serviço social na Universidade Fordham, em Nova York. “Esse pensamento me serviu bem. Criou aventuras sem fim, surpresas, amizades incríveis e aprendizado profundo.”

De fato.

Em 2014, ela estava tendo algumas aulas de criação no Fashion Institute of Technology, em Manhattan. Seu professor, em uma aula sobre como abrir uma loja de roupas vintage, sugeriu que ela criasse um blog de moda. Slater, que é de Dobbs Ferry, no subúrbio do condado de Westchester, e se mudou para a cidade de Nova York em meados dos anos 90, pensou: “Por que não?” Ela sempre teve paixão e talento para o estilo e muitas vezes era confundida com parte da indústria da moda. Ela pensou que iria focar no blog e nesse tema.

“Eu me vesti de uma maneira que as pessoas não esperavam. Eu estava muito vanguardista, me vestindo com um look minimalista, preto e branco. Usei designers japoneses de lojas de consignação – como Issey Miyake e Yohji Yamamoto”, explicou ela. “Eu me vesti da maneira que senti e para transmitir uma identidade.”

Depois que um colega de classe sugeriu que ela se autodenominasse Ícone Acidental, a Sra. Slater assumiu o título e adquiriu Um website e domínio do blog usando esse nome. Ela postava três vezes por semana, geralmente compondo peças introspectivas sobre roupas e designers, e o papel fundamental que esses dois tópicos desempenhavam em sua vida. Muitas vezes ela usava uma peça de roupa e escrevia um ensaio “sobre a inspiração do estilista e como me senti ao usá-la”, disse ela.

As fotos que acompanham foram tiradas por seu parceiro de longa data, Calvin Lom, 66 anos, engenheiro de ciclotron aposentado. (Hoje a dupla mora em Peekskill, NY) Um período de cinco anos como um influenciador de moda muito procurado – @iconaccidental no Instagram – foi seu próximo grande passo na carreira.

Depois veio a crise de identidade e a perda de si mesmo.

Seus triunfos, transformações e dificuldades, sem falar em suas verdades, são contados em sua livro, “Como ser velho: lições para viver com ousadia a partir do ícone acidental”, que será publicado em março pela Plume, uma marca da Penguin Random House.

“O livro é uma compilação de ensaios que começaram quando completei 60 anos, em 2013, até o presente”, disse Slater. “É um livro sobre reinvenção e coisas que aprendi. Como me tornei um ícone acidental e experiências que aconteceram comigo. Culmina quando tenho essa crise de valores.”

(A entrevista a seguir foi editada e condensada.)

Como você passou de assistente social em tempo integral a Ícone Acidental?

Em 2014, eu estava realizando um trabalho muito pesado, focado em traumas, abuso infantil e sexual e no sistema de bem-estar infantil. Eu precisava fazer algo criativo, porque para mim isso salva vidas. Professores e pessoas me disseram que eu tinha um ótimo estilo. Quando surgiu a sugestão do blog, quis me aprofundar nisso. Sempre me interessei por roupas e moda. As roupas sempre manifestaram quem eu quero ser. Eu pensei: “OK. Eu posso fazer isso. Eu sei fazer um site. Eu posso fazer isso acontecer.

Como você sabia no que focar?

Havia um grande buraco para as mulheres da minha idade, que eram como eu, urbanas, intelectuais e investiam na vida e na carreira. O blog que eu queria escrever não existia. Eu queria me envolver com uma comunidade de mulheres que queriam pensar e falar sobre moda como forma de expressar identidade. Nunca tive um mercado-alvo.

Você rapidamente ganhou muita atenção, acumulando quase um milhão de seguidores em suas plataformas de mídia social. Como isso aconteceu?

Minha escrita era minha autenticidade. O blog realmente foi meu impulso para ser escritor. Tornei-me mais visível no mundo. Fiz a transição do blog para trabalhar predominantemente em Instagram e fazendo postagens patrocinadas. Ganhei uma campanha da Valentino, depois internacional com a Mango, marca espanhola voltada para um consumidor mais jovem. O fato de eles me apresentarem foi inovador. Então consegui seguidores de todo o mundo. Assinei com uma agência de modelos e consegui um agente literário. Fui visto por editores de moda e comecei a fazer sessões de fotos para revistas e videoclipes, modelar, fazer campanhas e trabalhar com designers emergentes.

Em 2019 você teve uma crise. O que aconteceu?

Eu me perdi. Percebi que estava infeliz. Tudo se tornou muito controlador. As pessoas dizem o que querem que você poste, como querem que você faça suas fotos, o que querem que você diga. Não foi por isso que comecei isso. Queria ter uma nova aventura, conhecer novas pessoas, explorar novos campos e expressar-me de forma criativa. Perdi a comunidade íntima que estava verdadeiramente engajada. Eu estava criando um espaço onde pessoas que não se sentiam ouvidas e invisíveis se sentiam, através de mim, vistas. As mulheres mais jovens que tinham medo de envelhecer diziam que eu as estava ajudando a não ter medo disso.

O que você aprendeu ao longo dessa experiência?

Que você precisa de quantidades iguais de vida analógica e digital. No início, o blog permitiu que uma pessoa mais velha entrasse na moda. Mas depois de um tempo, isso me colocou numa caixa e isso se tornou opressivo. Aprendi como viver uma vida digital pode mudar você. Fui sugado e comecei a comprometer meus valores. Aprendi como é fácil e sedutor se perder em tudo isso.

Como você retornou ao seu eu central?

Voltei a escrever. Não passo mais muito tempo nas redes sociais. Já não faço isso por dinheiro. Agora faço isso como comecei originalmente, que é escrevendo. eu tenho um Subpilha que eu me envolvo mais do que com minhas mídias sociais. Tenho prioridades fortes, como colocar minha família, minha casa e minha saúde antes de tudo. Continuo postando por causa do grupo de pessoas que estão engajadas comigo e para quem minhas palavras são importantes para elas, inspiram, confortam e fazem com que se sintam bem consigo mesmas.

Como foi completar 70 anos?

Acho que envelhecer não se reflete com precisão. Envelhecer é uma jornada. As pessoas estavam vendo uma pessoa idosa que não estava preocupada em ser velha. Minha idade era irrelevante. Há muitas coisas boas sobre o envelhecimento. Você tem muita experiência de vida. Então, quando as coisas acontecem, você não enlouquece. Você sabe o que fazer. Você já fez isso antes. Você tem mais confiança, fica menos dependente do que as pessoas pensam, o que é enorme.

Qual é o seu melhor conselho?

A chave da vida é mergulhar na vida sem um plano e estar aberto para viver dessa maneira. É uma filosofia esperançosa porque antecipa que sempre haverá um futuro e que sempre haverá algo excitante, diferente e novo.



[ad_2]

Leave a Comment