Analista do FBI descreve danos à arma ‘Rust’ de Alec Baldwin no julgamento de Hannah Gutierrez

[ad_1]

Os promotores do Novo México que tentam provar que Alec Baldwin foi criminalmente negligente no tiroteio fatal do diretor de fotografia do filme “Rust” devem lidar com uma evidência complicada: uma arma danificada.

Baldwin há muito afirma que não puxou o gatilho de sua arma cenográfica – um revólver Colt .45 – em 21 de outubro de 2021, enquanto ensaiava uma cena no set de filmagem nos arredores de Santa Fé, a diretora de fotografia do NM, Halyna Hutchins, estava parada a poucos metros de distância. longe quando a arma de Baldwin disparou, disparando uma bala de chumbo que a atingiu fatalmente no peito. O tiro também feriu o diretor do filme, Joel Souza, que se recuperou do ferimento.

Um mês após o acidente, Baldwin disse ao âncora da ABC News, George Stephanopoulos: “Eu não puxei o gatilho. … Eu nunca apontaria uma arma para ninguém e puxaria o gatilho contra eles.”

Perguntas persistentes sobre o estado da arma no momento do tiroteio revelaram-se espinhosas para os promotores. A equipe de defesa de Baldwin sugeriu que a arma cenográfica do ator estava com defeito e pode ter funcionado mal, levando ao seu disparo – uma teoria que se espera que seja a peça central da defesa do ator. Seus advogados apontaram a falha da arma durante os testes para apoiar a lembrança de Baldwin de seu papel no trágico tiroteio.

No mês passado, um grande júri do condado de Santa Fé indiciou Baldwin por homicídio culposo. Se condenado, o ator de 65 anos poderá cumprir até 18 meses de prisão. Na segunda-feira, a juíza do Primeiro Tribunal Distrital Judicial do Novo México, Mary Marlowe Sommer, agendou o julgamento de Baldwin para começar com a seleção do júri em 9 de julho.

No entanto, dois especialistas em balística lançaram dúvidas sobre as alegações de Baldwin, incluindo um examinador forense do FBI que testemunhou na segunda-feira no julgamento criminal de Hannah Gutierrez, a armeira “Rust” que carregou a arma do ator naquele dia. Gutierrez enfrenta acusações de homicídio culposo e adulteração de provas relacionadas ao tiroteio em “Rust”. O depoimento desta semana, num tribunal do condado de Santa Fé, ocorre num momento em que os promotores especiais do Novo México procuram fortalecer seus casos criminais contra Gutierrez e Baldwin.

Baldwin se declarou inocente das acusações. Seu julgamento deve durar oito dias.

Na segunda-feira, terceiro dia do julgamento de Gutierrez, o examinador forense do FBI Bryce Ziegler prestou depoimento.

Ziegler testemunhou que foi responsável por danificar a arma durante testes no Laboratório do FBI em Quantico, Virgínia, há quase dois anos.

O analista do FBI disse na segunda-feira que realizou uma série de testes rigorosos, incluindo bater várias vezes na arma cenográfica de Baldwin com um “martelo de couro cru”.

Ziegler disse que usou o martelo de couro cru para golpear a arma, enquanto o martelo era puxado para trás, em várias direções. Os testes tinham como objetivo determinar se bater ou empurrar a arma resultaria em disparo. Ele disse que estava tentando simular cenários para a arma disparar – sem que o manipulador puxasse o gatilho.

Durante esse teste, ele quebrou vários componentes da arma. As partes fraturadas incluíam a ponta do gatilho, o gatilho e o martelo.

Hannah Gutierrez, à esquerda, com seu advogado Jason Bowles.

Hannah Gutierrez, à esquerda, com seu advogado Jason Bowles, deixa o Primeiro Tribunal Distrital do Novo México, na semana passada, após a seleção do júri em seu julgamento por acusações de homicídio culposo.

(Eddie Moore/Diário de Albuquerque)

Ziegler disse que só conseguiu disparar a arma durante dois dos testes, inclusive na posição do martelo totalmente armado. “Alguns dos componentes internos da arma de fogo realmente quebraram para permitir que o martelo caísse e disparasse o cartucho preparado”, disse Ziegler.

Os advogados de Baldwin, por meio de um porta-voz, não quiseram comentar o depoimento.

Ziegler testemunhou que o dano da arma ocorreu durante seus testes no laboratório do FBI.

“Estava funcionando normalmente quando o recebi”, testemunhou Ziegler na segunda-feira. “Como resultado dos testes, ele foi danificado.”

Ziegler foi um dos três especialistas do FBI que testemunharam durante o julgamento de Gutierrez na segunda-feira. O processo foi transmitido pela Court TV.

O fornecedor de armas e munições “Rust”, Seth Kenney, testemunhou durante um depoimento no ano passado que a arma – uma pistola de fabricação italiana projetada para se parecer com um revólver de ação única vintage de 1873 – estava totalmente funcional quando ele a enviou para a produção. Kenney disse que comprou a arma para “Rust”.

Mas, para os promotores, as partes fraturadas da arma levantaram questões incômodas sobre a integridade da arma de fogo. Os promotores especiais contrataram separadamente um especialista em armas do Arizona para revisar os pedaços quebrados, entre outras evidências, e determinar se a arma estava com defeito durante a produção de “Rust”.

Esse especialista, Lucien C. Haag, estudou a arma e a reconstruiu com peças novas. “O gatilho teve que ser puxado ou pressionado o suficiente para liberar o martelo totalmente engatilhado ou retraído do revólver de provas”, escreveu Haag em seu relatório de agosto de 2023.

Baldwin afirma que não era sua função inspecionar o revólver para ter certeza de que as balas dentro dele eram cartuchos “fictícios” inertes. Essa posição foi afirmada pelo SAG-AFTRA, o sindicato de artistas que inclui Baldwin. Quando Baldwin recebeu a arma, foi informado que ela estava “fria”, o que significa que não tinha munição.

No entanto, a arma continha cinco cartuchos falsos e uma bala real.

“Senhor. Baldwin não tinha motivos para acreditar que havia uma bala real na arma – ou em qualquer lugar do set de filmagem”, disse seu advogado Nikas anteriormente. “Ele contou com os profissionais com quem trabalhou, que lhe garantiram que a arma não tinha cartuchos reais. Lutaremos contra essas acusações e venceremos.”

Gutierrez, a armeira, disse aos investigadores do xerife que carregou a arma, mas pensou que todas as balas dentro dela eram falsas. O promotor especial Jason J. Lewis, em sua declaração de abertura, disse na semana passada que o julgamento contaria com membros da tripulação de “Rust” que testemunhariam que Gutierrez era “desleixado” e “pouco profissional”.

O advogado de Gutierrez, Jason Bowles, contestou a caracterização, dizendo que o jovem armeiro estava sendo transformado em “bode expiatório” por promotores e produtores de cinema que procuravam encontrar a culpa pela trágica morte de Hutchins. O set de filmagem teve outros problemas, incluindo uma saída dos membros da equipe de filmagem.

“O que vocês estão vendo neste tribunal hoje é tentar culpar Hannah, a jovem de 24 anos”, disse Bowles durante seu discurso de abertura na quinta-feira. “Por que? Porque ela é um alvo fácil. Ela era a pessoa menos poderosa naquele set.”

Gutierrez se declarou inocente. Seu julgamento deve durar até 6 de março.

[ad_2]

Leave a Comment