31.000 soldados ucranianos foram mortos até agora na guerra, diz Zelenskyy: NPR

[ad_1]


O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, responde a perguntas da mídia, durante sua coletiva de imprensa em Kiev, Ucrânia, no domingo.

Evgeniy Maloletka/AP


ocultar legenda

alternar legenda

Evgeniy Maloletka/AP


O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, responde a perguntas da mídia, durante sua coletiva de imprensa em Kiev, Ucrânia, no domingo.

Evgeniy Maloletka/AP

QUIIV, Ucrânia – Pelo menos 31.000 soldados ucranianos foram mortos desde que a invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia começou, há dois anos, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy a repórteres em um fórum no domingo.

É a primeira vez que a Ucrânia divulga publicamente um número de baixas militares, embora Zelenskyy tenha se recusado a dizer quantos soldados estão feridos ou desaparecidos, dizendo que a informação ajudaria a Rússia.

Autoridades dos EUA disseram que o número de mortos é muito maior.

Zelenskyy também sugeriu que o Kremlin tomou conhecimento dos planos de contra-ofensiva da Ucrânia no Verão passado e que este ano, “vários planos serão preparados devido a fugas de informação”.


Bandeiras comemoram os soldados ucranianos mortos na Praça da Independência, em Kiev, no sábado, marcando o segundo aniversário da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Roman Pilipey/AFP via Getty Images


ocultar legenda

alternar legenda

Roman Pilipey/AFP via Getty Images


Bandeiras comemoram os soldados ucranianos mortos na Praça da Independência, em Kiev, no sábado, marcando o segundo aniversário da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Roman Pilipey/AFP via Getty Images

As tropas ucranianas estão com pouca munição

À medida que a guerra da Rússia contra a Ucrânia entra no seu terceiro ano, Zelenskyy diz que 2024 pode ser decisivo. Uma das principais prioridades é garantir que a Ucrânia tenha armas suficientes, especialmente mísseis de longo alcance, bem como munições, para se defender das forças russas.

“Não se pode vencer apenas com bravura”, disse Anton Tarasov, um soldado de 49 anos, em declarações à NPR em Kiev, durante uma pequena pausa na linha da frente. “Conheço centenas de grandes soldados. Mas se não tivermos munição, não poderemos revidar, não poderemos salvar vidas. Apenas nos dê as ferramentas. E nós faremos o resto.”

As tropas ucranianas com poucas munições foram recentemente forçadas a retirar-se da cidade de Avdiivka, no leste, após meses de tiroteios e bombardeamentos implacáveis ​​por parte das forças russas.

Agora as forças russas estão na ofensiva em vários pontos da linha da frente oriental, enquanto a Ucrânia espera por um pacote de ajuda de 61 mil milhões de dólares, retido pelos republicanos no Congresso.

“Eles sabem que precisamos do apoio deles dentro de um mês”, disse Zelenskyy. “Tenho certeza de que haverá uma decisão positiva. Caso contrário, ficarei me perguntando em que tipo de mundo vivemos.”

O ministro da Defesa, Rustem Umerov, também falando no formulário de domingo, disse que 50% da ajuda militar à Ucrânia não chegou a tempo, o que pode ser mortal no que ele chamou de “a matemática da guerra”. Ele disse que a Rússia gastou 150 mil milhões de dólares – ou 15% do seu PIB – no ataque à Ucrânia, que tem muito menos recursos.

“Então, basicamente, sempre que um compromisso não chega a tempo”, disse ele, “perdemos pessoas, perdemos território”.


Oleksandr Kamyshin, ministro das Indústrias Estratégicas da Ucrânia, no fórum Ucrânia 2024 em Kiev, no domingo.

Claire Harbage/NPR


ocultar legenda

alternar legenda

Claire Harbage/NPR


Oleksandr Kamyshin, ministro das Indústrias Estratégicas da Ucrânia, no fórum Ucrânia 2024 em Kiev, no domingo.

Claire Harbage/NPR

A Ucrânia está a trabalhar para desenvolver as suas próprias armas

A Ucrânia tem vindo a desenvolver rapidamente a sua indústria de armas no ano passado. Oleksandr Kamyshin, ministro das Indústrias Estratégicas do país, disse à NPR que a Ucrânia tem o know-how para produzir “pelo menos a gama básica de armas e munições de que necessitamos”.

Ele disse que a Ucrânia também desenvolveu uma “defesa aérea do tipo “faça você mesmo”, usando mísseis ocidentais em lançadores soviéticos “para proteger nosso céu” dos ataques russos. E acrescentou que o sector da tecnologia de defesa está a crescer rapidamente, especialmente em drones e guerra electrónica.

“Temos financiamento escasso”, disse ele. “Esse é o desafio que temos. O resto é factível.”

No início deste mês, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, prometeu que os membros da NATO forneceriam um milhão de drones à Ucrânia este ano. Kamyshin está pedindo a esses países que comprem os drones de fabricantes ucranianos para ajudar a financiar o setor.


Os participantes do fórum Ucrânia 2024 assistem a uma apresentação sobre o uso de drones durante a guerra com a Rússia.

Claire Harbage/NPR


ocultar legenda

alternar legenda

Claire Harbage/NPR


Os participantes do fórum Ucrânia 2024 assistem a uma apresentação sobre o uso de drones durante a guerra com a Rússia.

Claire Harbage/NPR

“Neste momento, já podemos produzir muito mais [drones] do que os fundos orçamentais que temos disponíveis”, disse ele. “Sabemos que os drones trabalham na linha da frente. Somos competitivos em preços.”

Entretanto, os líderes da União Europeia prometem acelerar o fornecimento de armas. O presidente francês, Emmanuel Macron, recebe líderes europeus na segunda-feira para discutir o apoio militar e diplomático à Ucrânia. Zelenskyy, que deverá comparecer via videoconferência, disse no domingo que pediu a Macron caças Mirage.

A produtora da NPR, Hanna Palamarenko, contribuiu com reportagens de Kiev.

[ad_2]

Leave a Comment