Poderiam as miniestações nucleares preencher as lacunas de energia da África do Sul?

[ad_1]

Os cientistas nucleares sul-africanos querem construir uma nova geração de mini-reatores nucleares, tanto para tapar buracos na rede assolada por apagões do seu próprio país como para construir uma indústria de exportação para o futuro.

Uma empresa projetou um pequeno reator modular refrigerado a gás que, segundo ela, pode ser instalado em três anos em um local menor que um campo de futebol e produzir com segurança energia suficiente para uma cidade.

Projectos semelhantes estão em curso noutros países, à medida que o mundo enfrenta o desafio de alimentar uma economia futura com transportes electrificados, aquecimento e centros de dados, ao mesmo tempo que reduz as emissões de carbono.

A Europa está dividida quanto ao caminho a seguir. Alguns países, liderados pela França, apostam na energia nuclear. Outros, como a Alemanha, esperam que as energias renováveis, como a eólica e a solar, substituam os combustíveis fósseis e compensem a perda de acesso às exportações de gás natural da Rússia.

A África do Sul dependerá do carvão durante algum tempo, mas, com a energia já escassa, está a apostar na construção do seu programa nuclear.

E alguns especialistas como Kelvin Kemm, físico nuclear e executivo-chefe da empresa privada Stratek Global, com sede em Pretória, consideram que a África do Sul está numa posição única para assumir a liderança no desenvolvimento de reactores de quarta geração.

“Acredito que o futuro não está apenas ao virar da esquina, acredito que o futuro chegou”, disse Kemm à AFP numa entrevista no seu jardim nos subúrbios de Pretória.

“Vejo que nos próximos seis anos haverá uma proliferação mundial massiva de energia nuclear de todos os tamanhos, que haverá uma enorme mudança de atitude nos próximos 24 meses. Acredito que a África do Sul já é um líder. “

A jornada nuclear civil da África do Sul começou em 1976, quando começou a construção da central nuclear de Koeberg, na costa do Atlântico Sul, a norte da Cidade do Cabo.

Foi comissionado há 40 anos e tem uma capacidade de pouco menos de 2.000 megawatts, uma pequena parte dos 27.000 MW que a muito ridicularizada empresa estatal de electricidade da África do Sul, Eskom, pode fornecer, graças em grande parte às centrais alimentadas a carvão com utilização intensiva de carbono.

Mas a procura interna de energia atinge frequentemente um pico superior a 32.000 MW por dia, e os sul-africanos enfrentam apagões contínuos ou “redução de carga” de até 12 horas por dia, um sério fardo para a economia daquela que deveria ser a potência do continente.

Em Dezembro, o governo anunciou que planeava colocar em funcionamento a primeira de uma nova série de centrais nucleares até 2033, acrescentando mais 2.500 megawatts de capacidade, ao mesmo tempo que planeava renovar Koeberg e prolongar a sua vida útil por mais 20 anos.

Mas, mesmo com os painéis solares a surgir nas casas e nos empreendimentos em todo o país, isso ainda deixa o país sem energia a médio prazo. É aqui que, nos planos de evangelistas nucleares como Kemm, entram as pequenas centrais modulares.

Grandes centrais como Koeberg, com os seus dois reactores de água pressurizada (PWR) de concepção francesa, devem estar situadas à beira-mar para permitir que 80 toneladas de água fria por segundo sejam bombeadas para arrefecer os seus reactores.

Contudo, a maior parte da África do Sul está seca e o seu centro comercial, Joanesburgo, e as suas minas e indústria com utilização intensiva de energia estão longe do mar. A capital Pretória fica tão longe da fresca costa atlântica da Cidade do Cabo quanto Roma está de Londres.

É aqui que a Stratek espera entrar com seu reator modular de alta temperatura (HTMR-100).

De acordo com Kemm, que já está em conversações com operadores internacionais de lugares tão distantes como França e África do Sul, estes reactores refrigerados a gás hélio podem ser instalados em grupos de até 10 ou normalmente seis para alimentar turbinas a vapor prontas para uso.

Estas centrais gerariam menos de 300 megawatts cada, o suficiente para um grande complexo mineiro industrial ou para uso doméstico numa cidade do tamanho de Pretória.

Mas, acima de tudo, seriam mais fáceis de fornecer – consumindo menos de um caminhão carregado de pellets de urânio combustível em esferas portáteis do tamanho de bolas de críquete por ano – e fáceis de resfriar sem água do mar.

Pelos padrões da indústria nuclear, com calendários de desenvolvimento notoriamente longos e caros, seriam relativamente baratos e rápidos de instalar, e os preços cairão depois de a primeira unidade protótipo estar instalada e a funcionar.

Kemm disse que a fraqueza do rand significava que sua empresa poderia citar US$ 470 milhões como o custo do primeiro reator e ter como objetivo reduzir as construções subsequentes para US$ 300 milhões cada.

“Somos extremamente baratos para os padrões mundiais”, disse ele.

Kelvin Kemm, físico nuclear e presidente e executivo-chefe da Stratek Global, acredita que a África do Sul pode se tornar um exportador de minicentrais nucleares
Kelvin Kemm, físico nuclear e presidente e executivo-chefe da Stratek Global, acredita que a África do Sul pode se tornar um exportador de minicentrais nucleares
AFP
Apesar das grandes minas de carvão e de uma história de quatro décadas de energia nuclear civil, a economia da África do Sul tem sido prejudicada por apagões contínuos de energia.
Apesar das grandes minas de carvão e de uma história de quatro décadas de energia nuclear civil, a economia da África do Sul tem sido prejudicada por apagões contínuos de energia.
AFP

[ad_2]

Leave a Comment