O Core i9-14900KS de 6,2 GHz da Intel é um lembrete de por que as guerras de MHz terminaram

[ad_1]

O Core i9-14900KS de 6,2 GHz da Intel é um lembrete de por que as guerras de MHz terminaram

Informações

Os entusiastas de PC que já estiveram no mercado algumas vezes devem se lembrar do período entre os anos 90 e o início dos anos 2000, quando as velocidades de clock cada vez maiores eram a principal métrica da Intel para aumentar o desempenho do processador. A AMD também participou – conseguiu vencer a Intel para 1 GHz em o que foi considerado um grande golpe na época – mas os processadores Pentium 4 da Intel priorizaram especificamente o aumento da velocidade do clock ao custo de instruções por clock.

Hoje, a empresa está revisitando brevemente aqueles velhos tempos com o Core i9-14900KS de US$ 689, seu mais novo processador de desktop carro-chefe. O i9-14900KS pode atingir velocidades de 6,2 GHz fora da caixa, um pequeno empurrão além do i9-13900KS de última geração e do i9-14900K que atingiu o máximo de 6,0 GHz. Como outros chips de desktop Intel de última geração, ele também possui o “Tecnologia de Impulso Adaptativo”, o que permitirá ao chip aumentar seu consumo de energia e desempenho até atingir 100° Celsius.

Esse tipo de aumento na velocidade do clock é impressionante e impraticável. Por um lado, a Intel conseguiu aumentar ainda mais a velocidade do clock sem alterar sua arquitetura ou processo de fabricação, o culminar de anos de iteração nas famílias de processadores de 12ª, 13ª e 14ª geração. Do lado impraticável, o i9-14900KS pode usar uma quantidade ridícula de energia para alcançar um desempenho ligeiramente mais rápido, lembrando-nos das leis da física que ajudaram a encerrar as guerras dos megahertz em primeiro lugar.

As especificações da Intel listam um nível especial de TDP de 320 W para o i9-14900KS, significativamente maior do que o TDP de 253 W para o Core i9-14900K (embora os fabricantes muitas vezes ignorem as especificações da Intel aqui, permitindo que as CPUs funcionem com TDPs efetivamente ilimitados e contando com aceleração térmica para evitar que os processadores fritem).

Em termos de uso de energia no mundo real, testes do Tom’s Hardware demonstra algumas lacunas enormes entre a quantidade de energia usada e a quantidade de desempenho obtida. Em um benchmark de renderização do Blender, o i9-14900KS consumiu 31% mais energia do que o i9-14900K, com um ganho de desempenho inferior a 1%. A diferença nem sempre é tão grande, mas o uso de energia aumenta é geralmente desproporcional ao aumento de desempenho.

Esses tipos de processadores impraticáveis ​​​​apenas para se gabar provavelmente não irão desaparecer, mas isso pode ser o fim da linha para a marca Core i9 da Intel, a linha de processadores Core de 14ª geração, o soquete de processador LGA 1700 e o Raptor Lake arquitetura do processador. Nunca diga nunca – a Intel adora reformular a marca e reutilizar o silício antigo para lançar novos produtos, entre aspas – mas os rumores atuais sugerem que o novo soquete LGA 1851 e processadores “Arrow Lake” de última geração se tornará a principal plataforma de desktop da Intel em algum momento do próximo ano.

[ad_2]

Leave a Comment