A opinião crua de Pamela Adlon sobre a gravidez

[ad_1]

Quando Judd Apatow e os meninos fazem uma comédia sobre gravidez censurada, eles a chamam de “Grávida”. Mas quando a co-criadora de “Broad City”, Ilana Glazer, e a comediante Michelle Buteau tentam o mesmo assunto, o resultado tão atrevido vem com um título muito mais elegante: “Babes”.

Esse trocadilho é apenas um dos muitos atos de recuperação irreverente do filme, já que a diretora Pamela Adlon – fazendo uma mudança confiante para a direção de longas-metragens após contribuições seminais para a telinha para ‘Louie’ e ‘Better Things’ – e suas estrelas desobjetificam um rótulo usado por caras e dar um tapa em si mesmos. O termo atrevido se aplica tanto às amigas de longa data Eden (Glazer) e Dawn (Buteau) quanto aos bebês que eles passam a maior parte do filme incubando. Essas garotas estão fazendo bebês, e você pode se surpreender com quanta comédia ainda há para ser extraída desse assunto aparentemente universal (mas ainda amplamente subexaminado).

Revelando a risada ainda sem classificação no SXSW Film Festival, Adlon oferece uma homenagem assumidamente grosseira à maternidade, apresentada aqui como o fenômeno inspirador pelo qual um humano desenvolve outro humano dentro de seu corpo. Como pode algo tão bonito ser grosseiro, você se pergunta? Os co-escritores Glazer e Josh Rabinowitz (um colega veterinário de “Broad City”) revelam tantos segredos perinatais – e secreções – quanto podem imaginar, obcecados com praticamente todos os fluidos corporais que as mulheres produzem, exceto lágrimas.

Esta “foto feminina” moderna não é nenhuma chorosa, veja bem. Às vezes é engraçado no nível de “Damas de Honra” (para citar outra comédia lançada no SXSW), embora falte os insights psicológicos aguçados que tornaram aquele filme um clássico. Na verdade, “Babes” que atuou nos testes de Bechdel erra por ser muito afirmativo. Sempre que outro filme pode ter representado um desafio ao sucesso dos personagens, este esmaga esse obstáculo. Politicamente, esta é uma afirmação poderosa: “Bebés” não permitirão que questões de auto-estima, leis sobre o aborto, pais caloteiros ou sexismo internalizado atrasem o processo. Dramaticamente, porém, é um desastre. A atitude implacavelmente positiva do filme significa eliminar preventivamente todos os conflitos potenciais.

Claro, mas alguns podem argumentar que melhores amigas que passam por gestações consecutivas são agitadas o suficiente para qualquer filme. “Babes” abre com a bolsa de Dawn rompendo durante uma ida ao cinema. Onde um amigo menor poderia ter entrado em pânico, Eden a mantém calma, honrando o desejo de seu amigo (faminto) de fugir do hospital em favor de um restaurante chique. Mas esse bebê está chegando de uma forma ou de outra, e a loucura de tentar festejar enquanto as contrações aceleram cria uma sequência inesquecivelmente original e extremamente engraçada.

Eden está convencida de que ela é “a melhor melhor amiga do mundo”. Mas depois que Dawn fez cocô no bebê número dois (uma descrição colorida sugerida pelo foco nas funções corporais do filme), ela se mostrou menos disponível do que sua amiga física e emocionalmente exausta gostaria. Acontece que Eden tem uma boa desculpa para se distrair: no épico sono do hospital para casa – uma viagem de metrô de três transferências, longa o suficiente para conhecer um fofo, flertar e formar uma conexão profunda com um estranho encantador (Stephan James) – ela acaba tendo um caso desprotegido de uma noite.

Por razões que é melhor não dizer, ele a transforma em fantasma. E por razões que Eden provavelmente deveria ter previsto, ela acaba grávida. O casamento (com o marido sobre-humano e compreensivo de Hasan Minaj) e a maternidade (com uma criança de quatro anos que exige muita manutenção) amadureceram Dawn. Eden ainda não se recuperou – uma desconexão que prejudica um pouco a amizade deles, embora o filme esteja muito ocupado sendo solidário para deixá-los ficar com raiva um do outro por muito tempo.

Num espírito de solidariedade, Dawn jura que apoiará Eden independentemente do que a sua amiga decidir. Para sua surpresa, Eden quer ficar com o bebê. (“Babes” acredita no direito de escolha da mulher. No caso de Eden, a escolha é certamente mais interessante quando esta mulher solteira, mal preparada e de mentalidade infantil, opta por ter o filho.) O que se segue é um passeio consistentemente escandaloso pelas alegrias. da gravidez, abordando as coisas que a sociedade conspirou para manter escondidas: o tesão insaciável, as cólicas incapacitantes, as surpresas biológicas desagradáveis, mas naturais.

“Eles não contam sobre essa parte”, diz Dawn quando Eden percebe que ainda precisa fazer o parto. Acontece que há muita coisa que eles não contam. Como o equivalente adulto de um livro de Judy Blume, “Babes” ajuda a desmistificar tabus sobre o corpo feminino – para os quais a comédia se mostra uma ferramenta ideal. Adlon aceita diálogos vulgares (por exemplo, “Vou lavar meu [bleep] porque ela é [bleeping] úmido”), mas resiste a ser gráfico, deixando o visual para a imaginação do público. O ginecologista e obstetra careca de John Carroll Lynch explica algumas coisas. Mas Adlon obviamente adora construir cenários em torno de processos potencialmente confusos que mais de um século de filmes feitos pelo homem foram muito enjoativos ou educados para retratar.

O co-roteirista e astro Glazer explorou outra dimensão da experiência da gravidez com o thriller de fertilidade “False Positive” (um riff repugnante sobre o fenômeno do “cérebro da mamãe”). “Babes” é infinitamente melhor, tirando sua comédia da experiência vivida, em oposição à paranóia relacionada à gravidez. Com Adlon lá para identificá-los, Glazer e Buteau confiam em suas respectivas partes, com qualidades potencialmente desagradáveis ​​e tudo. Às vezes, a dupla fica tão suja que você pode não acreditar no que está ouvindo. Mas a força, como diz o ditado, vem da boca dos bebês.

[ad_2]

Leave a Comment