Companhias aéreas que esperam por mais jatos Boeing podem estar esperando um pouco

Photo of author

By Sohaib


A Boeing esperava que 2024 fosse o ano em que aumentaria significativamente a produção de seus populares jatos Max. Mas, menos de um mês depois do início do ano, a empresa está a lutar para garantir aos clientes das companhias aéreas que ainda será capaz de cumprir as suas promessas.

Isso porque a Administração Federal de Aviação disse na quarta-feira que limitaria a produção da fabricante de aviões até que estivesse confiante nas práticas de controle de qualidade da Boeing. Em 5 de janeiro, um painel explodiu a carroceria de um Boeing 737 Max 9 logo após a decolagem, aterrorizando os passageiros de um voo da Alaska Airlines e forçando os pilotos a fazer um pouso de emergência no Aeroporto Internacional de Portland, no Oregon. Quase imediatamente, a FAA aterrou alguns Max 9.

Desde então, surgiram detalhes sobre a produção do jato nas instalações da Boeing em Renton, Washington, que intensificaram o escrutínio do controle de qualidade da empresa. Os trabalhadores da Boeing abriram e reinstalaram o painel cerca de um mês antes de o avião ser entregue à Alaska Airlines.

A diretriz é outro revés para a Boeing, que planejava aumentar a produção de sua série de aviões Max para mais de 500 este ano, ante cerca de 400 no ano passado. Também planejava adicionar outra linha de montagem em uma fábrica em Everett, Washington, um importante centro de produção da Boeing ao norte de Seattle.

Como parte do anúncio da FAA na quarta-feira, ela também aprovou procedimentos de inspeção e manutenção para o Max 9. As companhias aéreas podem retornar os jatos ao serviço depois de seguirem essas instruções. A United Airlines disse na quinta-feira que poderia retomar a operação de alguns desses aviões já na sexta-feira.

A mudança é outro golpe potencial para as companhias aéreas. Embora a procura por voos tenha voltado a crescer depois dos confinamentos pandémicos e do abrandamento das restrições às viagens, as companhias aéreas não conseguiram tirar o máximo partido dessa procura. As empresas não conseguiram comprar aviões suficientes nem contratar pilotos, comissários de bordo e outros trabalhadores suficientes para operar os voos. Um aumento no custo do combustível de aviação depois da invasão russa na Ucrânia também prejudicou os lucros.

Muitos executivos de companhias aéreas estão agora a avaliar como a ordem da FAA afectaria os planos para as suas frotas para a próxima década – ou mais.

Quando foram lançados, os aviões de fuselagem estreita e com baixo consumo de combustível deveriam ajudar o fabricante a competir com a Airbus, que está muito à frente da Boeing em vendas. Mas a série Max foi afetada por problemas mecânicos e de segurança, incluindo dois acidentes em 2018 e 2019 que mataram quase 350 pessoas e levaram ao encalhe do Max 8 por quase dois anos.

Em seu anúncio de quarta-feira, a FAA não disse com que rapidez suspenderia a pausa no aumento da produção, em vez disso deu à Boeing as condições que ela deveria cumprir antes de fazê-lo. Ele disse que “não voltará aos negócios normais para a Boeing”.

“Não concordaremos com qualquer pedido da Boeing para expansão na produção ou aprovação de linhas de produção adicionais para o 737 Max até que estejamos satisfeitos de que os problemas de controle de qualidade descobertos durante este processo sejam resolvidos”, disse Mike Whitaker, administrador da agência.

O preço das ações da Boeing caiu cerca de 6 por cento na quinta-feira e caiu cerca de 19 por cento desde 5 de janeiro.

Em 2023, a Boeing produziu em média cerca de 32 de seus 737 aviões por mês, com planos de aumentar para 38 até o final do ano passado. O objetivo era aumentar ainda mais a produção para 42 por mês em 2024, um aumento ano a ano de mais de 100 aviões, e para cerca de 50 por mês em 2025. Antes do Max 8 ser aterrado em 2019, a Boeing vinha produzindo 52 jatos Max por mês.

Muitas companhias aéreas disseram que saudaram a decisão da FAA de manter um controle sobre a produção da Boeing até que os reguladores estivessem convencidos de que a empresa havia melhorado a qualidade e resolvido as questões de segurança. Mas alguns executivos de companhias aéreas também agiram rapidamente para reformular os seus planos de frota, partindo do pressuposto de que os aviões que esperavam chegariam agora meses ou, em alguns casos, anos mais tarde do que esperavam.

A Alaska Airlines, que tem uma frota de 231 aviões Boeing 737, deveria adicionar 23 jatos Max à sua frota em 2024, mas disse na quinta-feira que espera que “muitos deles se atrasem”.

“Temos o número certo de aeronaves para voar em nossa programação atual e levar nossos hóspedes aonde desejam”, afirmou a empresa em comunicado. “Ainda estamos trabalhando para entender as implicações da limitação recentemente anunciada pela FAA na produção de aeronaves na Boeing.”

A Southwest Airlines, que esperava mais de 500 jatos Max em outubro, disse que iria “reduzir o número de entregas de aeronaves Boeing 737 Max” que esperava do fabricante e não esperava mais nenhum jato Max 7, o que a FAA não fez. certificado ainda, em 2024.

Ainda assim, alguns analistas disseram que não está claro qual o impacto que a ordem da FAA teria.

“É possível que a restrição da FAA à rampa seja irrelevante – pelo menos para a mudança para 42 – uma vez que os investidores já tinham começado a assumir um tempo mais longo aos 38 para impulsionar a estabilidade e o aumento da qualidade”, disseram analistas do Deutsche Bank num estudo. nota na quinta-feira, referindo-se à quantidade de aviões 737 Max que a Boeing fabrica em um mês.

Pelo menos uma companhia aérea estava confiante de que as interrupções não prejudicariam os pedidos da Boeing. A Ryanair, a companhia aérea europeia de baixo custo, disse em comunicado que o fabricante “garantiu à Ryanair que o aterramento dos Max 9 e a manutenção, em vez de aumentar a produção mensal atual, não atrasarão ainda mais as entregas da Ryanair” para o verão de 2024 e o verão de 2025.

Embora a decisão da FAA de limitar a produção não ajude, a Boeing também estava a lutar para aumentar a produção por outra razão – ela e os seus fornecedores não conseguiram substituir todos os trabalhadores que foram despedidos, reformados ou demitidos durante a pandemia. Encontrar novos trabalhadores qualificados tem sido difícil e está demorando mais para treiná-los, disse Christopher Raite, analista sênior da Third Bridge, uma empresa de pesquisa. “A base de trabalho simplesmente não existe.”

A Boeing tem dois modelos de aviões Max em produção, o Max 8 e o Max 9, e duas outras versões, o Max 7 e o Max 10, que aguardam a aprovação da FAA antes que qualquer um possa voar.

Mesmo antes do incidente de 5 de janeiro no Alaska Airlines Max 9, as companhias aéreas estavam limitadas em quanto poderiam crescer adicionando voos ou rotas. Em abril, o presidente da Autoridade Internacional de Transporte Aéreo, Willie Walsh, disse que a capacidade permaneceria reduzida até 2025 e possivelmente por mais tempo.

Jonnathan Handshoe, analista de companhias aéreas da CFRA Research, disse que as dificuldades de segurança e produção da Boeing podem piorar a situação precária das companhias aéreas.

Atrasos nas entregas de novas aeronaves, disse Handshoe, significariam que as companhias aéreas gastariam mais em combustível do que esperavam, porque seriam forçadas a usar aviões mais antigos e menos eficientes em termos de combustível, que esperavam desmantelar ou vender. Além do aumento dos problemas da cadeia de abastecimento, disse Handshoe, novos acordos trabalhistas concedem grandes aumentos a pilotos, comissários de bordo, mecânicos e outros trabalhadores.

Nas últimas semanas, alguns chefes de companhias aéreas tomaram a atitude incomum de punir publicamente a Boeing pelas suas falhas de segurança e atrasos na produção. Hubert Horan, analista de aviação, disse que as companhias aéreas estão tentando conseguir um acordo melhor com a Boeing em grandes pedidos que já fizeram.

“Normalmente há disposições em contratos como esses para penalidades graves e cancelamento se problemas graves impedirem a Boeing de cumprir o contrato”, disse Horan. “Em parte, as recentes declarações públicas fazem parte da negociação sobre os termos finais das penalidades e descontos.”

Em teleconferência com analistas na quinta-feira, o presidente-executivo da Alaska, Ben Minicucci, disse que a parceria da empresa com a Boeing era uma parte fundamental do futuro da transportadora. A empresa tinha 185 aviões Max encomendados, e Minicucci observou que estava satisfeita com o Max até o último incidente.

Mas a paralisação de semanas dos aviões Max 9 e o limite na produção da Boeing prejudicarão empresas como o Alasca. A empresa disse que esperava que apenas a suspensão da FAA lhe custasse US$ 150 milhões – embora também esperasse ser “recuperada” por essa perda – e Minicucci disse em uma entrevista recente que estava irritado com a Boeing por sua segurança e falhas de produção.

“Vamos manter a Boeing no fogo para garantir que sairemos bons aviões daquela fábrica”, disse Minicucci.

Leave a Comment